CapaCadastroTextosÁudiosAutoresMuralEscrivaninhaAjuda



Texto

Um mês...

Oi... Sou eu de novo... Você já percebeu que “cada louco tem a sua mania” e a minha é a de escrever...
Talvez você não tenha idéia do porquê de mais esta carta, mas eu explico... Hoje faz um mês que eu te conheci...
Pois é... Um mês... Para algumas pessoas, até mesmo para você pode parecer muito pouco tempo para se comemorar algo, mas para mim não... Por que não?
Porque faz muito tempo que eu não me sinto com a sensação que vem me acompanhando desde o dia em que eu te vi... Que sensação é essa?
Bem, é algo que eu sinto dentro do meu íntimo, no silêncio dos meus pensamentos em meio às madrugadas em que você não está ao meu lado... Uma sensação de que algo grande e belo está acontecendo, é como se a vitória num desafio fosse questão de instantes... É um sabor dentro da alma de realização e de realidade... É como se eu me tornasse apto para desafiar desafios maiores, mais sedutores, interessantes... Desafios os quais os seres humanos almejam ter por saber que são eles que conduzem à felicidade...
Sou um eterno desafiante da vida (minha prima Melissa disse isso), não aceito o fracasso, não me entrego à derrota. Posso sentir seus golpes sobre meu corpo e meu espírito, mas não me curvo à eles mais do que devia mais por respeito do que por medo de suas conseqüências...
Sempre acredito em mim, na força que tenho dentro do meu coração, na minha capacidade de empunhar as armas santas do Amor, da Fé e da Esperança...
Já estive de joelhos, caído, ferido, sangrando (literalmente)... Muitas vezes por minhas próprias mãos e outras tantas pelas dos outros... E sabe por que não desisti? Por que não mudei meus caminhos?
Porque eu sempre quis encontrar a certeza que mataria a dúvida dentro de mim... Dúvida se viver vale a pena, se chorar vale a pena, se amar vale a pena...
Sempre tive motivos para não querer estar aqui e isso era uma certeza ditada por doença, dor e solidão, mas Deus é sábio e foi justamente isso que me motivou a continuar aqui, num mundo que era triste, solitário e de dor...
Nunca aceito o que o Mal tenta me impor, não acredito, nunca acreditei que esse Mal era melhor que eu, que ele me dominaria e isso, o Mal e suas garras ferozes, sempre foi o motivo de eu querer viver. Continuo vivo porque vou vencê-lo, já estou conseguindo, vou fazê-lo provar do que ele sempre quis me fazer provar... O amargo da derrota...
Perdoe se isto é um desabafo, mas sinto que tenho de falar, tenho de colocar para fora essa mágoa atravessada na minha garganta...
Se hoje faz um mês apenas que eu e você estamos juntos, eu digo mais, faz um mês que meu passado de lágrimas, sofrimento e de silêncio se tornou passado... Eu tê-la junto a mim, ainda que tão fugaz dentro do infinito, mostra que eu consegui... Eu consigo hoje olhar para dentro de mim e já não vejo mais névoa, incerteza, tampouco abandono... Talvez você me tenha dado pouco o seu coração, ainda é cedo, mas o meu, esse coração atravessado por um punhal hoje pulsa alegre, atravessa os minutos de um dia na espera ansiosa de sentir o efeito do teu olhar, do macio da tua pele, do calor do teu corpo se incendiando sob o meu...
Hoje eu me sinto como um viajante que veio de uma terra de fome, miséria, onde no céu o que se podia avistar eram aves de rapina ao invés de estrelas. Um viajante que agora terminou sua viagem, que está de regresso à verdadeira pátria, onde os seus o acolhem com sorrisos, abraços e a certeza de que voltar lá, naquele inferno, nunca mais...
É isso o que sinto quando segura em minhas mãos, quando beija minha boca, quando não faz nada, apenas me olha com esse teu olhar mágico e deslumbrante...
Um mês pode ser pouco, mas para quem tinha quase nada isso é muito... Isso reacende e ilumina a alma...
Não sei quanto tempo eu a terei, mas também não quero saber. Se eu vivi os dias do meu passado e cheguei até aqui não foi para deixar que a questão tempo prevalecesse sobre o sentimento. E eu sinto que você, eu e todos à nossa volta nos encontramos não por acaso, mas porque estava escrito no Livro da Vida, onde em suas páginas escritas à custa de tinta de lágrimas, num papel chamado Merecimento, gravamos nossa história passada, presente e futura.
E se amanhã eu tiver de lembrar-se de você com saudade, vou fazê-lo, mas não impedirei uma lágrima de cair dos meus olhos e no instante que durará sua travessia sobre meu rosto, tenha certeza, eu vou viver instantes de recordação, instantes felizes que jamais se apagarão em minha memória.
Mas o que importa é que hoje faz um mês que o meu céu tem uma nova estrela. Estrela importante porque o brilho que a faz distinta em meu mundo, esse mesmo brilho eu quero manter vivo por amor...
Parabéns a nós por um mês juntos...
Tchau...
Beijo...

Sandro La Luna
Enviado por Sandro La Luna em 17/09/2009
Reeditado em 17/09/2009
Código do texto: T1814761

Copyright © 2009. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Sandro La Luna
São Paulo - São Paulo - Brasil
859 textos (60937 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/04/14 15:46)