Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Meu Rei! 

Choro... e chorando reconheço minha fraqueza. Procurei em mim forças para esquecer este amor que, como um raio de sol, entrou em meu coração e inundou-o de luz e calor... nada encontrei que me desse forças pra te esquecer. Pelo contrário, quanto mais tentava me libertar, mais acorrentada me via nas lembranças dos momentos intensos de amor vividos por nós.
Como é ingrata a memória!! É amiga das lembranças, da saudade!! Descerra a cortina da distância e exibe o filme que tentamos esquecer. E de repente, me vejo relembrando como tudo começou. Tudo nasce pequeno e foi assim com o nosso amor. De pequeno se fez grande, intenso, insano... aprendi a te amar, a sentir tua falta, aprendi a viver!
Me amastes também, eu sei e teu amor me chamou para fora da minha solidão e nas nossas diferenças encontramos estímulos para o crescimento deste sentimento que em mim, insiste em ficar.
Mas, a realidade veio um dia bater à porta e mostrou com crueldade a impossibilidade deste amor...
Amor bandido! Amor sofrido! Amor proibido!...
Alguém tinha que ser racional. Assim, tentastes ser o mais forte e dissestes adeus! 
Apesar de saber que a qualquer momento aconteceria, foi um grande golpe que em mim deixou uma cicatriz que insiste em permanecer aberta.
Para tudo existe um preço: apostei alto neste "jogo" e te perdi; mas preciso aprender que na meditação posso encontrar a paz, posso entender que as folhas que caem das árvores permitem que outras surjam para a vida, posso aprender que mesmo sendo triste, também o inverno nos trás coisas belas e posso afinal ver, em cada novo dia que surge, uma mensagem de esperança abrindo as janelas do coração para um novo horizonte... mas, até que eu possa entender tudo isso, digo-te meu amor: ainda não aprendi a te esquecer. Este amor foi marcado a cinzel e permanecerá para sempre pois não existe borracha capaz de apagá-lo e assim, sinto que cultivarei no silêncio este amor imenso que sinto por você.

Tua princesa!


Enviado por Sô em 18/07/2006
Código do texto: T196802

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Arapongas - Paraná - Brasil
56 textos (14772 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 15:25)