CapaCadastroTextosÁudiosAutoresMuralEscrivaninhaAjuda



Texto

Reencontro dos amigos

Reencontrar você, cara amigo, estremeceu e alegrou meu coração. Saber que a distância e o tempo não foram ventos que levaram embora nossa amizade. Poder lhe reencontrar, uma maneira de encontrar novamente em mim a beleza de ser e ter amigo.

Se Francis Bacon dizia que"A vida sem amigos torna-se um deserto", posso dizer que a vida com amigos torna-se uma riqueza, tal e qual um oásis no meio de um deserto. No deserto que é a própria vida, na sua dinâmica própria, na adrenalina de dores e alegrias, derrotas e conquistas, mudanças e constâncias, medo e coragem, escravidão e liberdade, multidão e solidão, dúvidas e certezas,paradigmas e renovações; Como é louvável encontrar um oásis no meio do deserto.

O seu sorriso, o seu abraço, suas palavras, seu silêncio, suas lágrimas são também as minhas. Eis o verdadeiro amigo, assume comigo o meu caminho, mesmo não trilhando mais comigo. Como me fez feliz lhe ver atuando, no seu palco, na sua arte evangelizando, sendo aquilo que você é, sem o salto da vaidade, mas com a sandália da humildade. Caminho de doação, a partir de si para tantos irmãos, na essência e consequência do amor. Percebo seu semblante, mistura de kenosis e êxtase, de um cansaço que certo descanso a tantos e a você mesmo garante. Um curador que às vezes também se encontra ferido. Seu caminho é de renúncia, um anuncio renovado para seu coração que não conota tristeza,mas beleza, pureza; seu caminho é também de cruz, a mesma que no peito carrega, mas ela não é tão pesada, pois você consegue dar-lhe sentido, a partir do coração, onde a sua cruz, imitando o exemplo de Jesus, à glória lhe conduz. Sei que também nese itinerário às vezes um Cireneu lhe é necessário, mas ele não pode por você ser crucificado, se pudesse ele até o faria. Mas eis que não desiste, e assim insiste no seu caminho, na sua arte de transmitir felicidade que é também sua felicidade.

Se alguns dizem que o amigo nós conhecemos nas horas de dificuldade, também é verdade que nós o conhecemos nas horas de felicidade. Partilhar da mesma alegria, sem o demônio da inveja ou do achismo invasor a perturbar e atrapalhar a partilha. Como é bom se entregar, se abrir e encontrar do outro lado acolhida, incentivo. Percebo sua maturidade, sua humanidade, sua santidade a partir da sua oração, da sua torcida, do seu ombro e empurrão para comigo.

Eis que passei por aqui (por aí) somente para dar aquele abraço, um oi e um tchau, e neles cultivar aquilo que tem cáráter perene e cordial, a amizade. Se o amor de Cristo, um amor eterno e inesgotável, nos uniu, então significa que nesse alicerce, como dizia santa Catarina, a amizade não se finda.

E assim eu vou no meu caminho ... POr você já conhecido e bem acolhido. Um caminho normal no estado de vida que assumi, na novidade do trabalho, do estudos, de novas amizades, do namoro. O meu palco já não é o mesmo, sinto-me na platéia, mas nem por isso deixo de ser artista na contínua paciência de descobrir sentido e essência naquilo que sou e naquilo que quero ser na vida.

"Você está com um semblante feliz". Sim, o outro (você) quem pode melhor perceber como estou, e eu posso confirmar sem comparar, estou bem, em paz, tranquilo nessse meu novo caminho. Quem fala muito de si mesmo às vezes  não deixa espaço para demonstrar como realmente está, não deixa o outro avaliar o que vai além das palavras, o que pode estar contido na postura, no  semblante, no jeito, no ser de cada um. Porém, nem todos avaliam na sinceridade e alteridade, o critério pode ser egoísta e precipitado quando parte da superficialidade e dos preconceitos. Mas isso não fere e nem danifica o ser, ele não é tão frágil assim, capaz de deixar-se influenciar pela contrariedade. O amigo que ama de verdade, assim como você, sabe dedicar um tempo à amizade, tem paciência e consegue sentar ao lado ainda que seja rápido, tendo a capacidade de transformar  pouco em muito através de palavra, de silêncio, de brincadeira, de lamento. Enfim, "a metade de nossa alma é um bom amigo." disse Santo Agostinho. No meu caminho, no seu caminho, um único objetivo, ser feliz, fazer o outro feliz, na realização do coração e na alegria da conquista de cada dia, ainda que seja por caminhos diferentes. Novamente cito: "Não nos afastemos muito, vamos juntos, de mãos dadas"(C.D.A.) As mãos que simbolizam o incentivo, o levantar, o empurrão preciso, e enfim diz: "Estamos unidos, somos amigos, em um só coração e espírito".

Não quero me despedir, mas quero somente dizer um "até já" e dizer que eu fiquei muito feliz em poder lhe encontrar.


Hudson Roza
Enviado por Hudson Roza em 19/02/2010
Código do texto: T2095053

Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Hudson Roza
Caruaru - Pernambuco - Brasil, 31 anos
93 textos (14579 leituras)
4 áudios (363 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 01/09/14 18:02)