Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A LINGUAGEM DO CONTEMPORÂNEO

(Para Lígia Leivas, a propósito do internetês e os visitantes virtuais)

Cada vez mais me convenço de que o nascimento da Literatura, particularmente o da Poesia, não é questão de “sensibilidade aflorada” e, sim, de inteligência para conectar a sensibilidade do leitor.

Quem me suscitou isto foi o impagável mestre Fernando Pessoa, o maior cutucador que encontrei em todo o lido, ruminado.

Também não é menos verdadeiro que há dias em que este fato ocorre mais nítido, perceptível! Esse afloramento que não sei de onde vem... E nem de que escaninhos da memória...

Nestes momentos ficamos mais atilados para a percepção e se torna mais fácil a construção do texto, seja na prosa ou no verso. Mas é no poema, na palavra metaforizada, que este aprisionamento do Belo fica mais palpável.

Quando isto ocorre, a palavra vem mais límpida, mais ajustada ao que se quer realmente dizer. Tudo flui melhor e mais rapidamente. Aquilo que há alguns anos chamávamos de “ao correr da pena”.

Talvez seja a tal “inspiração”, com a qual tanto brigo, porque hoje sou pertinaz no trabalho, disciplinado no ofício de escriba.

Diferentemente do período em que – diletantemente – comecei a escrever e em que ficava à espera de que brotassem as idéias.

Longas horas a capturar a inspiração e suas diabruras. Aquela capetinha dos períodos de ócio ou de reflexão. Quanta insistência, por vezes...

Atualmente, com mais de trinta e cinco anos de leituras sobre a Poesia e o poema, percebo que tudo é mais fácil no rodeio do palavrório.

Não devemos nada a ninguém e, portanto, escrevemos o que nos apraz e da forma que nos satisfaz. O leitor assíduo nos dará alguma pista, porque é ele que ruminará nossas loucuras.

De há muito perdi os pruridos castiços. Lembrei de Manuel Bandeira: "... língua errada do povo, língua certa do povo..." ou alguma coisa assim...

A descontração no escrever faz parte de nosso tempo. Do andamento rápido do modo de viver e fruto aprazível das tecnologias disponíveis aflora a concreção no tratar e no falar.

De novo o intertexto, à conta do mestre Fernando Pessoa na parte final de Tabacaria, em 1928: "... A certa altura morrerá a tabuleta, depois de certa altura, morrerá a rua onde esteve a tabuleta, e a língua em que foram escritos os versos... Morrerá depois o planeta girante em que tudo isto se deu...".

Vamo-nos, portanto, à palavra de entendimento, rápida como a centelha quase moribunda...

Se não a pegarmos, o carro de Apolo se vai pras estrelas...

– Do livro CONFESSIONÁRIO – Diálogos entre Prosa e Poesia, Porto Alegre: Alcance, 2008, p. 188:90.
http://www.recantodasletras.com.br/cartas/211392
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 07/08/2006
Reeditado em 17/01/2010
Código do texto: T211392
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 70 anos
2581 textos (709645 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 22:31)
Joaquim Moncks