Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

GARRAFA NA AREIA

garrafa na areia
 
 
 
      Dentro de uma garrafa,que deve ter rolado pôr inumares ondas, enfrentado incontáveis temporais.
foi encontrado um papel, em manuscrito.
 
 
        Quando o barco naufragou, flutuei. Sei nadar, mas como não via terra pôr perto, achei melhor
me poupar. Depois de muito tempo, ouvi o ruído de ondas batendo em pedras. Era uma ilha.
 Consegui chegar a uma praia.
       O papel é pequeno. Vou resumir. Fiz uma cabana. E vivi durante anos de frutas e peixes.
Não apareceu nenhum navio. Nem esperava que aparecesse, pois eu havia navegado
naquele barco, porque estava absolutamente sozinho.
 
      Mas, com o tempo, fiquei assustado com o tamanho de minha solidão. Ela vinha de longe,
como o vento que chega à praia.
 
       Fiz um balanço de minha vida. Meditei  em todos os lugares que trabalhei. E me sugeriam
fátuos como as espumas das ondas. Consistente mesmo me pareceram  os poemas que
escrevi. As vezes  me lembrava de alguns. Outras, escrevia nas areias os versos, que a
maré fazia reverso e apagava.
 
     Encontrei então esta garrafa. Imaginei que ela poderia me levar esta mensagem, que
é dirigida a uma mulher especial.Tem de ser solitária como eu. Amar os silêncios e saber
conversar.Deve gostar de poesia,do orvalho, dos lugares belos e comuns, e sentir que pode  amar um homem para não enlouquecer de solidão. Perfeitamente pode ter mais de cinqüenta anos, assim
terá uma bagagem maior de experiências forças e esperanças para trocar.Deverá  possuir
uma casa confortável,  o suficiente para manter duas solidões.
 
     Poderá ter os cabelos brancos, desde que seja descendentes de europeus.
 
     Sei que esta garrafa não chegará a lugar algum. Mas tenho a esperança que se, uma onda,
passa-la a outra,possa encontrar aquela alma que completarei e vai me completar.
 
     Estou escrevendo esta mensagem num canto de antigo jornal, que consegui guardar.
Se você é a mulher que penso, escreva para Naufrago, jornaldosmunicipios@ig.com.br
 
                            DON ANTÔNIO MARAGNO LACERDA
                            Prêmio UNESCO/poemas.
                            www.jornaldosmunicipios.go.to
DON ANTONIO MARAGNO LACERDA
Enviado por DON ANTONIO MARAGNO LACERDA em 01/06/2005
Código do texto: T21231
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
DON ANTONIO MARAGNO LACERDA
Campinas - São Paulo - Brasil, 79 anos
55 textos (2587 leituras)
2 e-livros (95 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 06:37)
DON ANTONIO MARAGNO LACERDA