Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O CACHORRO CORRE ATRÁS DO PRÓPRIO RABO

“Moncks! - sempre e grande Moncks! teus poemas são uma PAIXÃO avassaladora! "...zelo de amar o doloroso...";"...cantar o amor é cantar o espelho das ausências/quando o poema tem esse ar distraído de que se pode superar a falta do que amamos/sinto que nasce o poeta com sua coroa de louro na visão do terceiro, e dentro de nós somente o fetiche..." - Nesses versos o coração soluça a insolução, a precariedade, a transitoriedade... enfim, fugaz é o sentimento que rodopia dentro de nós , sem sabermos pra onde ele se dirige. -Moncks: o amor é sempre o grande e único tema (Stendhal). Sabes que não gosto da análise acadêmica ou erudita. Prefiro o 'feeling' do leitor. Prefiro ser o outro dentro da mesma realidade, ou seja, o que lê o poema, que o sente e que, por isso mesmo,nessa própria leitura reescreve a intimidade do poema tal qual ele a sentiu. Mas és DEZ! Tá ótimo!Meu carinho e a admiração de sempre. Lígia Antunes Leivas.

Enviado por lilu em 05/09/2006 00:46
para o texto"PECADOR EM NOME DE DEUS".

O "Zelo de Amar" - só um artista 'quintessência' é capaz de fazer a paráfrase do seu próprio texto... autoparáfrase... Moncks: no leito de nossos rios, temos a mesma verdade: no amor, a saudade é a única e real possibilidade... E é por isso que 'A noite não é um tempo calado'. Abraços, Lígia (lilu)

Enviado por lilu em 05/09/2006 02:07
para o texto"O ZELO DE AMAR".

Vês como os afetos são fundamentais para a nossa reconstrução? Sim, porque em verdade reconstruímo-nos a partir do elixir dos estímulos, dos desafios sobre a areia movediça de ir vivendo.

Foi exatamente o teu generoso comentário analítico postado no Recanto das Letras, pleno de coração e de humanidades, que me deu a idéia da tal autoparáfrase. Em verdade eu nem sabia que estava fazendo – escrevinhando – esta ação com nome feio, esdrúxulo duas vezes. Tu me dás cada lição de novidades!

Ressaltaste que havia poesia naquelas metaforazinhas, aí deu vontade de expô-las autônomas.

É um exercício que gosto de fazer. Algo como o cachorro correndo atrás do próprio rabo. Coisa de pessoa inútil, que não tem nada o que fazer além de cerebrinar-se.

Parece-me que ficou bem. Vês o que é o milagre da confraternidade?

Ah! Como fica bom parafrasear a inutilidade, num país em que se trabalha tanto e se ganha tão pouco!

– Do livro CONFESSIONÁRIO - Diálogos entre Prosa e a Poesia. Porto Alegre: Alcance, 2008, p. 239:40.
http://www.recantodasletras.com.br/cartas/233227
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 05/09/2006
Reeditado em 28/04/2010
Código do texto: T233227
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 70 anos
2581 textos (709708 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 06:48)
Joaquim Moncks