Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Considerações Extemporâneas sobre a Felicidade

Meu querido amor,

Mais uma vez agradeço pelas palavras que gentilmente tem cedido à minha pessoa. Agradeço por me considerar seu fiel escudeiro, até porque carrego comigo esta responsabilidade tácita de sempre lhe querer o bem, independente das circunstâncias futuras em que nos encontraremos. Sempre lhe disse que tua estrela é linda, e se reafirmo exaustivamente até hoje é porque sei que mulheres iguais a você são cada vez mais raras.

Não se martirize por não haver respondido com brevidade maior minhas cartas. Sei perfeitamente que os contratempos profissionais assim como as viagens são percalços imediatos que exigem uma atenção detalhada.

Assim, gostaria de deixá-la bem à vontade. Não tenhas o fardo da obrigação da resposta imediata, até porque quero que minhas letras sejam objeto de reflexão e não de tristezas e nostalgias ufanistas.

Quero que estas letras lhe abracem da mesma forma como se eu estivesse contigo. Que lhe tragam o conforto necessário que precisares nas tormentas que tem enfrentado.

Seria um estoicismo de minha parte negar minha preocupação contigo sobre o modo como você encara sua vida atual e a busca da felicidade.

Portanto, gostaria de fazer-lhe algumas considerações (se me permitires, é claro) sobre este mapa do tesouro que tanto almejas.

Primeiro. Entenda uma verdade universal meu amor: a felicidade existe e pode ser encontrada. A forma de encontrá-la não se refere a uma busca individual, cerceada de fé em si mesma e de amor-próprio. Não se encontra a felicidade; ela é que encontra você. Basta que abramos nosso coração para reconhecer seus sinais, de que forma ela se apresenta e se temos coragem para usá-la como estandarte de nossas ações.

Abra seu coração e se deixe guiar por este estandarte. Eu também já passei por estes questionamentos porque sempre eu me achei racional demais... Já me decepcionei muito com o ser humano pois sei que até o mais nobre dos homens se corrompe diante das agruras da vida e do imediatismo vil de nossas paixões mundanas.

Não deixe que seus fantasmas limitem sua capacidade de amar e ser amada em retribuição, minha querida. Nunca pedi que você me retribuísse coisa alguma, pois sei que cada coisa teria sua época certa, inclusive esta carta.

Aliás, à medida que o escrevo me vem à lembrança do “Mito de Sísifo”, personagem da mitologia grega que foi supliciado por Zeus a empurrar eternamente, ladeira acima, uma pedra que rolava de novo até a base toda vez que lhe atingia o cume.

Faço esta analogia por saber que o arbítrio de nossas ações determina o resultado de nossas vidas. Saiba que o tempo é cíclico: tudo o que fazemos ou que deixamos de fazer nessa vida tem suas conseqüências. Não se engane que, sepultando seus sentimentos no que você arvora como utopia (sua felicidade), você estará a salvo das intempéries do seu coração...

Pelo contrário, seus fantasmas são justamente seus anseios por esta felicidade que você insiste em negar. Não deixe que este supostos limites – impostos arbitrariamente por você mesma – lhe tolham do objetivo maior de nossas vidas. Isto é negar completamente a sua natureza e o dom divino que recebeste.

A própria origem do seu nome enseja este desígnio divino, pois advém do latim, renascere... Portanto, renasça meu amor! Seja como a Fênix, que das próprias cinzas emerge cada vez mais cintilante, propagando sua luz a todos aqueles que dela necessitam.

Você tem um dom divino: o de contagiar a todos em sua volta com sua alegria e amor pela vida. Foi assim que me apaixonei por você. Por este amor propalado, ao mesmo tempo frágil e viril, que se manifesta nas mais pequenas alegrias, sublimadas pela esperança sempre presente do amanhã melhor do que o hoje.

Em absoluto a felicidade entorpece a mente. Pelo contrário, ela nos libera das amarras sociais que nos vampirizam e que nos sugam as jugulares em prol da ética moral e bons costumes.

Tenha fé. Mesmo que não tenha religião alguma, ore ao Divino. Desabafe, expurgue estes fantasmas imaginários que carrega por conta própria. Você é uma mulher linda e abençoada. Se você veio a este mundo, mesmo de forma tortuosa pela demora na reação ao ar que em seus pulmões, não focalize o suposto medo infundado que carregas de enfrentar a vida. Encare este fato como a certeza do dom divino que carregas e do caminho especial que devas trilhar.

Eu conheço este caminho, até porque também o sigo. Por isso nossos destinos se cruzaram. Por reconhecer a dificuldade desta senda é que me agarro às únicas certezas de minha vida: minha fé, minha família e meus amigos.

Siga os conselhos do seu coração pois eles sempre terão o gabarito necessário para guiar-lhes seus caminhos...

Como sempre, acredito que pequei pelo excesso de linhas. Reflita e medite sobre elas da mesma forma que tenho pensando em você enquanto as escrevo. Fique com Deus, meu amor!!!!!!!!!!!

Um beijão todo especial,

Alexandre

Ad majora natus
Alexandre Casimiro
Enviado por Alexandre Casimiro em 10/09/2006
Reeditado em 05/11/2006
Código do texto: T237051
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Alexandre Casimiro
Casimiro de Abreu - Rio de Janeiro - Brasil, 36 anos
67 textos (14588 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 04:04)
Alexandre Casimiro