Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

BELEZA EXTERIOR PÕE MESA?

(para Raphaela Müller, escritora, exuberante em seus 20 anos)

Não te preocupes muito com o que eventualmente venha a apontar como lapsos de fundo e de forma, ao examinar os teus versos e prosas. Estou, com este proceder, provocando o pensar sobre a lavratura das idéias e a rever o momento da inspiração.

Realiza-se nesta fase, o segundo momento de criação – a transpiração –, o qual é o que realmente dá forma ao que se quer expor.

Esta segunda mirada é uma espécie de revisão do que se alinhavou durante a instantaneidade do mistério da idéia, do lampejo sobre os fatos dispostos no mundo, os quais são a matéria prima para o surgimento da tradução deles em palavras.

Nesta prevalece a inteligência, enquanto que, na primeira fase, o vetor número um é a sensibilidade.

Já observei, pelos ‘Comentários’ no Recanto das Letras, que tens admiradores que estão fascinados com a tua imagem de menina-moça. A estrela brilha no sorriso.

Superado isto – e que é muito difícil para os jovens –, a palavra vai andar nua, mais bonita do que o tempo.

Não há roupa mais bela do que a juventude. Mas é mera indumentária, o adereço que torna o usuário mais formoso. Quando se lhe tira fora, foi-se o belo.

Rosto, corpo lindo, palavras bonitas, nem sempre andam juntos. É regra geral que a beleza corpórea dificilmente produz o escritor talentoso. Quase sempre o bom escriba é feio, não tem a beleza nos parâmetros usuais.

Escrever é, quase sempre, contrapor o feio de nós à fealdade do outro, ao estrambótico, ao que nos pune e compunge. Também àquilo que nos reprime enquanto humanos. E desta matéria disforme produzir o belo estético. E o mundo se torna ameno pela beleza dita, lavrada no húmus do choro.

E como o interior não é visto por quem está de fora, só o mergulho em profundidade, na obra escrita, pode produzir a paixão pelo texto e o apaixonamento pela beleza diferenciada de seu autor. Beleza que tem a aura do etéreo, sobrepairando como a coroa angelical.

Palavras sem atos são tiros sem balas, cognição em que reluz ainda a palavra do Padre Antonio Vieira, no Sermão da Sexagésima, século XVIII.

Aceita a lição que conduz ao fazer, esta é a vantagem daquele que tem o andejar dos anos contra si, mas conta com a beleza da palavra e suas imagens refletidas.

E o que é a perenidade senão o resistir ao decurso do tempo?

– Do livro CONFESSIONÁRIO – Diálogos entre a Prosa e a Poesia, 2006.
http://www.recantodasletras.com.br/cartas/238505
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 12/09/2006
Reeditado em 12/05/2008
Código do texto: T238505
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 70 anos
2581 textos (709722 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 00:40)
Joaquim Moncks