Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Carta à Dona Morte

Não me venha a morte sentada na esquina (com escalda-pés  na sorte), adormecer em meus ombros de cimento. Passo adiante seus coxos sapos e seus esguios tambores que me tentam biscatear.
Não me apareça bailando escandinavas marchas, tais as de Chopin, pérgula infeliz! Meu avesso é cor de brejo, e arpejos faltam-me a dedilhar forçadas liras.
Sabe, Dona Morte, tenho máculas desconjuntadas e zabaneiras, e sei das tuas andanças pelos arcos circunvizinhos, contudo nem prostrado me acho... Doto de hemolinfa nas veias, todas correndo para o chão. No meu alforje recôndito tenho infinitas quelíceras de caranguejeira, a mordiscar teus pesadelos.
No mais, as auroras que inda contemplarei, as promessas que descumprirei, as conversas que beberei e as pessoas pelas quais chorarei, impedir-me-ão de ser tão pragmático, nesta – quererá a tua cunhada me dar um jaleco de prata, e, com ele, estarei a compor versos insignificantes e a desmembrar páginas invertebradas, que são os açúcares da vida.
Dar-me-ei mais às insanas rugas do que ao ofício de corvacho; preferirei as santas rusgas às badaladas do obcônico fedendo a enxofre – muito malte haverá de ser hibernado a satisfazer meus desejos incontroláveis por chá.
Muita lama será, por mim, lançada às cruzes bretãs e não contarei com o colostro a me fazer reerguer, só se for por amor.
De qualquer apelo, julgo o tempo desperdiçado com tua lembrança, cístico contra-senso. Todavia, já que arrotei as passas cloradas sobre teu negro e inconsútil manto, cato-me feliz, sobretudo pela desopilação acompanhada.
Cesar Poletto
Enviado por Cesar Poletto em 28/09/2006
Código do texto: T251511

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Cesar Poletto
Piracicaba - São Paulo - Brasil
730 textos (34091 leituras)
1 e-livros (247 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 03:55)
Cesar Poletto

Site do Escritor