Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Meu fim se aproxima.

    Protelei muito esta decisão, foi muito dificil aceitar que tudo está perdido.
    Minha única solução será a morte pelas minhas proprias mãos.Não suporto mais este pesadelo.
    Eu sou um nada, lixo, um zero a esquerda, do qual niguém sentirá falta.
    Não quero mais chorar, naõ quero mais a tristeza e a solidão a me acompanharem.Não desejo mais ouvir os risos escarnecedores das mulheres e o desprezo das mesmas.
    Toda vez que eu olho para esta corda pendurada na viga, um calafrio percorre todo meu corpo.Quando me vejo pendurado, com a espinha partida, não consigo conter as lágrimas.
    E quando imagino a minha mãe entrando por esta porta, e vendo o meu corpo putrefato, sinto um grande aperto no peito.
    Mas é o melhor que eu faço.Quero cessar as minhas dores e secar as minhas lágrimas, ninguém sentirá a minha falta.
    Eu não tenho razões para viver.Eu sou um erro da natureza e devo ser eliminado.
    Nunca mais quero olhar nos olhos de minha mãe  e ver neles a sua decepção, nunca mais olharei no espelho e verei a face deprimente do fracasso.será um bom "negócio" para todos, eu abandonarei esta vida miseravel e a minha mãe e minha irmã não terão mais um " fardo' pesado e inutil para carregarem.É,  que triste ironia, morrer será a unica alegria nesta vida.
     Como escreveu o saudoso Tim Maia:"na vida a gente tem que entender que um nasce para sofrer enquanto o outro ri".(trecho da música Azul da cor do mar).
eu não pedi para nascer, vivi uma maldição, me "arrastei" na terra durante 24 anos. Basta, nunca mais andarei como um fantasma.Porei um ponto final em uma vida inútil, uma cminhada sem sentido.
      Terminarei com este "filme de terror", o qual eu prolonguei por muito tempo.
      Me desculpa mãe, mas eu fracassei, não fui o filho que você queria, o irmão que a fia precisava e nem o tio que o Pedro merece.
      Eu os amo, não importa onde eu estiver, pois o amor que sinto por vocês é eterno, nem mesmo a morte  pode destruir.
Adeus e me perdoem.    
Arcanjjus Negrus
Enviado por Arcanjjus Negrus em 04/11/2006
Reeditado em 09/07/2009
Código do texto: T282286
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Arcanjjus Negrus
Pinhais - Paraná - Brasil, 34 anos
1313 textos (86591 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 18:15)
Arcanjjus Negrus