Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

19 - ébrio o brio
Mim,
Vou ser breve, hoje até eu escrevo para ti, eu que não escrevo poemas.
O poema pode ser apenas o texto que encontrei ao escrever as frases, mas o título vale bem um poema :)
R

ébrio o brio brilha e cai uma lágrima

Ateu ateio a vida com as palavras duma mulher casada
saudando o seu estado civil com a poesia que semeia.
Abro as palavras como quem para isso se debruça
olhando da janela a rua onde só o tempo parece passar.
Antes de fechar a janela a pensar que um poema veio
acontecer neste tempo duma acção encenada aqui,
empurro as palavras para a frente levando um carro
de mão carregado de areia da construção mais próxima.
Aqui construo a minha praia espartana quase ermita
da poesia que ainda e sempre, penso eu, procura musas
mesmo porque as conhece ou apenas porque as quer
conhecer como quem tem do prazer o uso e abuso.
As rimas interiores onde o sentido oscila como chama
ao vento: ar em movimento e estrada da chuva a cair.
A cair nas costas do tempo que passa na rua molhado
o meu pensamento anda de lado até cair para a frente!

{Foto: Assim
http://www.recantodasletras.com.br/mensagens/278543}
Francisco Coimbra
Enviado por Francisco Coimbra em 15/11/2006
Reeditado em 15/11/2006
Código do texto: T292463
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Francisco Coimbra
Portugal
785 textos (310469 leituras)
37 áudios (39564 audições)
1 e-livros (148 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 03:08)
Francisco Coimbra