Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ÁLBUM DE FAMÍLIA: IVAN III

ÁLBUM DE FAMÍLIA: IVAN III


À memória do
meu titio
João de Almeida Marques [1936-1996].



     “São Paulo, 26 de junho de 1982.

     Estimado sobrinho e amigo João, acuso o recebimento de sua carta de 6 do corrente mês e fiquei muito contente em saber que vocês estão fortes. Acuso também o recebimento do convite para assistir o casamento do grande Ivan. Isto é, do Ivan II, porque agora apareceu o Ivan III, com quem já conversei com ele pelo telefone em Goiânia, e tive uma surpresa. Descobri, por intermédio dele, que tenho mais uma sobrinha legítima, filha do Anatole, que se chama Edilma. Quanto à nossa presença no casamento do grande Ivan, ou somente a minha, se o Emiliano não puder ir, será infalível. Com respeito a não havença de festividade, não importa, nô-la faremos à nossa expensa. Para isso há o Lagoa lá pertinho. Eu quero lhe comunicar que após receber sua carta eu já estive duas vezes em Campinas. Não pude chegar até aí porque tenho de voltar cedo para São Paulo, e, creio mesmo, que irei ainda mais uma vez, mas, se for, eu chegarei até lá. Sem mais, desejo muita saúde a vocês e termino esta com abraços a todos.


ADOLPHO SCHAWIRIN
[endereço]
SÃO PAULO – CAPITAL – SP
CEP [...].”
...........................................................
NOTINHAS

1) IVAN I:

trata-se de Ivan Emilianovitch, ou melhor IVAN EMILIANOVITCH SCHAWIRIN, estudante (do tradicional “Colégio Estadual Culto à Ciência”, em Campinas, entre 1917 e 1920) professor (do “Colégio Orozimbo Maia”, em Campinas, na década de 40), poeta e tradutor (cf. tradução direta do russo do romance “Pais e Filhos”, de Ivan Turgueniev -  em Editora Ediouro (1988) ou “Clube do Livro”; além d’outros romances) e partícipe da “Semana da Arte Moderna”, de 1922, em São Paulo. Devido à precária situação financeira em que se encontrava no referido período, Ivan foi forçado a “negociar” - junto a um até hoje famoso intelectual daquela época - um poema de sua própria autoria, cujo reconhecimento, hoje, atravessa as fronteiras nacionais.
     A quem interessar possa, em se tratando de desenvolvimento de pesquisas na área da literatura, deixo aqui registrada uma dica no que se refere a redimir um homem esquecido pelos estudos literários brasileiros.

2) Minha família, do lado materno, constitui-se de imigrantes provindos da Geórgia – Rússia, em 1914.

3) Pai, mãe, irmãos e irmãs de ADHOLFO SCHAWIRIN*, respectivamente (todos mortos):

MEUS BISAVÓS (de Sílvio Medeiros)
a) Emiliano Schawirin;
b) Marina Schawirin.

MINHA VOVÓ E TIOS-AVÓS (de Sílvio Medeiros)
[c) Adolpho Schawirin (falecido em 1984)]*
d) Aksênia Schawirin (minha vovó maternal/ 1909-1941);
e) Scholastica Schawirin;
f) Olympyada Schawirin;
g) Ivan (Emilianovitch) Schawirin;
h) Anatole Schawirin;
i) Maria Schawirin (caçula e única filha nascida no Brasil, na data de 09/10/1917 – falecimento:1978).

4)João = do russo, Iwan - (Pronúncia russa: Ivân)
____________________________________________________
PROF. DR. SÍLVIO MEDEIROS
Campinas, é primavera de 2006.
SÍLVIO MEDEIROS
Enviado por SÍLVIO MEDEIROS em 28/11/2006
Reeditado em 28/11/2006
Código do texto: T304164

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor (Prof. Dr. Sílvio Medeiros) e o link para o site www.recantodasletras.com.br/autores/silviomedeiros). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
SÍLVIO MEDEIROS
Campinas - São Paulo - Brasil, 61 anos
267 textos (351786 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 10:05)
SÍLVIO MEDEIROS