Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CARTA aos VIVOS.

Pare!
Somente por um instante e imagine-se morto.
Teu corpo descansa agora sobre uma pedra fria do necrotério.
Tua nudez não envergonha aqueles que te olham, sem mistério.
Você é tão comum quanto qualquer outro, não tenha pressa,
já não adianta; um caixão e uma cova aguardam teu corpo em
sepulcro.
Você esteve tão ausente e de repente...
De onde saíram todos esses amigos, que agora choram por você.
Teu mundo era tão pequeno; teu computador, um cachorro, um filho _  que você nem quis conhecer.
Dinheiro? De que importa agora.
Quanto ele vale para você?
Você morreu!
Neste momento alguém prepara uma coroa de flores com teu nome, “Saudades dos amigos” , “Saudades da família”... Emoções
tão fingidas quanto as que você dizia ter.
Não! Não corte tua imaginação agora.
Lembre-se das viagens, das fantasias, das mulheres e do conforto que teu dinheiro pagava... Apenas reflita, enquanto fazemos um minuto de silêncio em tua homenagem.
Teu caixão como qualquer outro descerá á campa, teu jazigo receberá uma placa, aqui jaz “Fulano”, “Descanse em paz”.
Para onde vais; tua rebeldia e abnegação serão lembradas e atribuídas somente a ti, teu dinheiro não será contado, mas tua alma receberá o ônus dos vossos pecados.
Agora, volte meu amigo vivo, a teu mundo terreno, a tua realidade insólita; serão dignas as escolhas que fazemos?


Sandro Colibri
Enviado por Sandro Colibri em 28/11/2006
Reeditado em 22/11/2010
Código do texto: T304211
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Sandro Colibri
São Paulo - São Paulo - Brasil, 44 anos
523 textos (52425 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 12:37)
Sandro Colibri