Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Sobressalto



Hoje percebi que poderia amar novamente. Deixei alguns instantes passar, uma eternidade me custou. Repeti à lição, receoso de reprovar.
Fiz-me celibato. No meu silêncio endureci-me, afastei-me da vida, do amor. Perdi o que já mais não tinha. Rispidamente afastei quem me amou. Passaram-se dois anos até redescobrir o prazer do amar, do se preocupar até então adormecidos. Esquecidos nas catacumbas do meu ser. Fiz-me distante de tudo. Predestinei-me a não mais amar ou nutrir qualquer resquício de tão sublime e pavoroso sentimento.
Sublime, porque é este que a sua maneira impulsiona o homem, alimentando-o de esperança. Pavoroso, pois nos torna escravos incapazes de se rebelar contra esta força tão viva, tão feroz. Senti-me meio perdido ao descobrir que ela novamente alojou-se em mim.
Dois sentimentos se misturaram não sei a que dosagem. Receio e Euforia compartilham deste meu corpo tão humano. Receio de não ter o que desejo, de amar e não ser amado ou de ser incapaz de amar. Eufórico por saber que ainda sou humano e que tenho  o direito e mais que o dever de ser feliz, regra máxima do homem. Pude descobrir que para voltar a amar, se assim posso dizer, depende de mim mesmo.
No último ano da minha clausura afastei qualquer hipótese de felicidade. Retornei a forma bruta, desprezei-me, esqueci-me. Desfigurei-me. Encerrou-s este período (de trevas) e agora me refaço humano, divinamente humano.
Talvez eu quisesse esconder de mim mesmo sentimentos e sensações que por serem incontroláveis temia.
Rogevanio Alves Santana
Enviado por Rogevanio Alves Santana em 22/07/2005
Código do texto: T36752
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Rogevanio Alves Santana
Aracaju - Sergipe - Brasil, 37 anos
67 textos (3454 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 14:03)
Rogevanio Alves Santana