Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

POESIA: AMOR INCONDICIONAL AO COLETIVO

(para Leinecy Dorneles, poetisa, em Rio Grande/RS)

– Referência e mote literário: poema CENÁRIO QUASE DESMEMORIADO, do livro OVO DE COLOMBO, 2005, p. 34: http://www.recantodasletras.com.br/poesiasdesaudade/41814

Saúde. Paz. Pecados à parte, que nossas orações nos salvem pela permanência no amor do Cristo, ponte de fraternidade. Muitos sons caminham dentro de mim como clarins a acordar os fracos de fé, de esperança.
 
Muitas saudades de ti e dos amigos do Rio Grande, sempre tão pródigo em desvelos para comigo e Andréa quando vamos até essa “Noiva do Mar”.

O amor aos pagos de infância e adolescência povoa-me de imagens novas e velhas, cenários quase desmemoriados: a longa margem do Atlântico e os molhes da Barra, parecendo aos olhos do menino uma longa embarcação tocada à vela, porque os carrinhos sobre trilhos, movidos a vento e respingos salgados, corriam sobre aqueles longos braços de Netuno que adentravam o mar. Assim me vem à memória a praia do Cassino, nos meus primeiros encontros com o mar grosso.

Pra nós que temos o campo em nossa memória afetiva, que “já não cozinhamos na primeira fervura", o que temos fundamente acumulados é a relembrança da infância e da adolescência: a lerdeza dos bichos, os cochichos a salvo dos ouvidos dos mais velhos e dos padres, nas confissões.

Obrigado pelo comentário sobre o poema acima referido, no Recanto das Letras – Sítio para Escritores, também pela nota máxima atribuída ao poema. Estou contente com a tua apreciação. Sabes que és preciosa ao meu coração.

Tuas observações sobre a minha poesia são sempre estimulantes. É importante que se saiba o que o texto transmite ao seu eventual leitor. Num país que lê muito pouco e em que a crítica literária é rarefeita, pouco se fica sabendo sobre a nossa obra girante pelo mundo. O escritor precisa de parâmetros vindos de leitores exigentes. Eles apontam o caminho, ainda mais em Poesia, que é linguagem cifrada.
 
Tentei impessoalizar ao máximo o poema, ausentar-me do texto para buscar universalidade, pois que poesia não compactua com memorialismo.

Além disso, é muito derramado em signos e de ritmo dolente, como sempre ocorre com o saudosismo. O uso de algumas interessantes metáforas comuns a todas as historietas de infância, talvez o salve da proscrição crítica. Permanece, no entanto, como memoriais do autor.

A contemporaneidade formal do século XXI não perdoa derramamentos. Aliás, a bem da verdade, os versos com poesia (porque há versos sem Poesia!) nunca contiveram derramamentos, desde a introdução dos textos modernistas no final do século XIX, na Europa e nos EEUU, e a partir da Semana da Arte Moderna, em 1922, no Brasil. Bem, mas isto é pra outro momento!
     
Que bom tenhas gostado do rescaldo afetivo, que é reminiscência de 1954, meus felizes oito anos. Acabo de lembrar Casimiro de Abreu: “Meus Oito Anos”, o seu celebérrimo poema!
 
Vês como as coisas caminham bem para a minha poesia, no Recanto? Tudo graças a ti, que me apontaste o caminho do site, o roteiro para vir a ser lido e comentado por pessoas de vários países que falam o nosso idioma. Estou encantado com a ligação do Recanto das Letras com o Google, que é um site de busca. Amigos de várias partes do mundo estão tomando conhecimento de minhas lavraturas em prosa e poesia. Ainda não havia tido esta visão de amplitude.

Há pessoas de meu trato pessoal e várias outras de quem nunca tive notícia, que se debulham em cumprimentos e agrados. Tenho feito alguns amigos graças à interatividade da Internet.

Sempre te agradecerei pelo convite original para vir a colaborar no Recanto, publicando e interagindo como autor – lá pelo inverno de 2004 – sendo que só me senti com coragem no ano seguinte. Tudo para atender a tua insistência. Repito: graças à tua poeticidade, ao amor incondicional que tens aos teus amigos, ao associativismo literário, à confraternidade, ao coletivismo.

Deus te guarde em Sua mão de ânimo e glória.

Ao fim e ao cabo, resta rememorar o apito do trem, o medo do escuro, o mar, gigante interminável, os horizontes a serem palmilhados, a temerosa migração para a grande cidade em busca da luz no fim do túnel.

O que fazer? Somos frutos deste êxodo...

Durante a vida inteira, é poderosa a migração dos afetos. São eles que nos apontam a dimensão do território de viver.

– Do livro CONFESSIONÁRIO – Diálogos entre a Prosa e a Poesia, 2006.
http://www.recantodasletras.com.br/cartas/42416
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 13/08/2005
Reeditado em 10/09/2008
Código do texto: T42416
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 70 anos
2581 textos (709632 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 14:25)
Joaquim Moncks