Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Oh! Que destino o meu!


   Oh! Que destino o meu!
       Lizete Abrahão

Tenho medo até de mim mesma!
Este amor que sinto é o mais puro, mais santo e
mais vermelho que a paixão,cheio de desejos divinos mas
tão culpáveis quanto os piores pecados!
    E os meus sonhos?
    Ah, como têm razão aqueles que dizem que a força da carne causa efeitos contraditórios!
    Sonhei que seus braços me apertavam, que suas mãos queimavam minha pele e que cobria de beijos a minha boca que apenas conseguia balbuciar palavras de amor em gemidos...seus olhos inundavam os meus de embriaguez e desejo...e como era suave a sua voz! Seu rosto junto ao meu era como o acordar do dia, como a lua numa noite silenciosa...seu peito largo como um lago quando calmas as suas águas...Não! Palavra alguma poderá exprimir os seus gestos, o fogo interior que nele exultava ao me olhar...E eu, presa do mesmo fogo, ardo e me entristeço!
    Por mais que eu me esforce, o que digo parece opaco...Só posso repetir tudo isso a mim mesma, ao fundo da minha alma! A imagem desses sonhos acompanha-me onde quer que eu vá.
E nunca, em outros momentos, me sinto tão pura!
    Serei culpada de sentir prazer e felicidade ao lembrar aquelas ardentes carícias?  Não me condeno por ter coragem de amar, mas me culpo porque sofro entre a ausência e a delícia de sonhar...
    Tudo está tão além da minha vontade! Acho que deliro! Já nem tenho mais forças para pensar! Meus olhos estão sempre cheios de lágrimas e não consigo me sentir bem em lugar algum, porque já nada desejo nem peço...
    Meu amor, meu amor! És um raio de sol a brilhar em minha alma, como na de uma prisioneira que sonha com a liberdade, com o correr pelos campos, com o calor da tarde no corpo... Obscura a minha solidão, neste quarto assim pequeno...Lá fora, uma árvore despoja-se de suas folhas, desnuda-se, murmurando ao soprar do vento, e eu nua, calada, por que apenas o frio sopra-me a alma.
Uma árvore é mais feliz, há o vento a despi-la...
    Estou, aqui, como quem mendiga, de porta em porta, um pedaço de pão para prolongar a vida de esperas que me resta... Já fiz toda a sorte de loucuras, mas ainda não encontrei minha lucidez! Não sei o que me faz esquecer de mim, se de tal modo restam-me apenas lembranças,
só minhas.
    Oh, que destino o meu!
    Minha vida não passa  de resignação. Concentro-me e encontro sempre o mesmo mundo de mim mesma. E é um mundo de pressentimentos e desejos insatisfeitos. Tudo é vago, imagens que flutuam irreais nos meus sentidos.
    E, assim, sonhando, às vezes sorrindo, outras, chorando, prossigo na minha viagem por este mundo!







 


Lizete Abrahão
Enviado por Lizete Abrahão em 07/09/2005
Código do texto: T48560

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Lizete Abrahão
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil
89 textos (3325 leituras)
5 áudios (129 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 10:46)
Lizete Abrahão