Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto


Niterói, 25 de maio de 2004

Caro Naldo Velho

Cá estou, exorcizando meus fantasmas, em meio às brumas que invadem meu quarto e dão o exato tom ao meu estado de espírito.

Lembrei-me de você, principalmente porque sei que hoje é dia de evento músico-poético. Lembro-me do nosso primeiro contato, quando você me enviou um e-mail, falando sobre seu receio de partir desta vida sem que seus escritos tivessem sido divulgados. Algumas mazelas, realmente, eram preocupantes, mas você as foi vencendo uma a uma. Sabemos que a luta continua. Os adversários é que se modificam. Não desista. Você é guerreiro nato.

Bastou você postar alguns poemas seus nas listas, para que conquistasse a Net. Uma legião de admiradores se deleitava com o seu estilo de fazer poesia. Você se anima e decide conhecer esse universo virtual. Sente todo o carinho que vai sendo direcionado a você, se empolga, fica um tempo, mas...um dia, dá adeus a esse universo, para vivenciar seus sonhos no universo real. Você queria ampliar seus horizontes. Talvez o mesmo anseio que me domina agora.

Hoje, acompanhando seu sucesso através dos eventos em Niterói e Rio de janeiro, onde você mescla músicas e poesias , sinto que, a cada espetáculo, está mais solto, seguro do trabalho que desempenha. Você é, de fato, um desbravador!

Suas músicas falam de espiritualidade, da crença no homem novo que existe dentro de nós, mas que cismamos em nutrir o velho...Fala de amor, da energia sexual, da vida!

Caro amigo, como disse antes, vivo dias nebulosos, mas, no momento, essa claridade que se impõe quando escrevo a você faz com que eu seja envolvida por energias benéficas.

Escrevo, acima de tudo, para pedir-lhe que continue esse trabalho. É uma espécie de sementeira do bem. Que você e todos esses seres sensíveis que o acompanham nesse exercício de bem- viver, consigam o melhor e maior bem do mundo: levar o amor ao coração das pessoas. É essa sua missão e você sabe disso.

Vejo um raio de sol adentrar nesse quarto cansado de brumas.E me parece ouvir, ao longe, você declamar:

"Quero quebrar a vidraça,
Arrombar a janela,
Mergulhar sobre a praça,"

(Poema de Naldo Velho:"Quero quebrar a vidraça")

Como sempre, declamando com brilho, emoção, transmitindo a nós seus sentimentos mais profundos. Você nunca foi de esconder suas emoções, suas verdades. É íntegro, leal, amigo.

Quero quebrar , como você, a vidraça! E mergulhar em busca dos meus sonhos!

Sua amiga de muitas vidas,

Belvedere

belvedere
Enviado por belvedere em 18/09/2005
Código do texto: T51658

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Texto de Belvedere Bruno). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
belvedere
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil
220 textos (73254 leituras)
5 e-livros (1070 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 15:23)
belvedere

Site do Escritor