Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O PECADO É A ORIGINALIDADE

Delasnieve e Tahyane, amadinhas do sítio Luna & Amigos:

Muito agradecido pelo belíssimo tratamento virtual dado aos meus textos. Vocês colocaram, pelas mãos de Tahyane, creio, roupagem de gala na minha simples fala.

Sei que já não é a fala pessoal, pois que não é mais dos meus domínios. Sei que transcende ao confessionário íntimo. O meu eu já fundiu-se ao coletivo.

Assim é a poesia: voa por si, desliga-se do poema pra viver espacialmente, insere-se como piolho em costura em nossos neurônios. O outro – o irmão leitor – é quem lhe dá asas, destino.  Assim é o mistério do inconsciente, o sopro da vida, do amor pelo coletivo.

Nós, os escritores, damos vida ao sonho, como vocês fizeram com os meus fantasminhas de amor e vida. Puseram roupagem bonita, vistosa, eles que eram tão pobrinhos, agora vivem para o mundo!

Dançam a valsa de Strauss nos salões de Viena, por vezes, em outras talvez bailarão o "funk" do futuro, em plena espaçonave aportada aos domínios do espaçoporto de Saturno.

Quem diria se pudesse falar assim ao Futuro?!

Só os criadores literários se podem dar a este desplante! Júlio Verne que o diga! Suas “Vinte Mil Léguas Submarinas” emergiram do fundo do mar e mareiam o espaço de Flash Gordon e Batman!

Versos se dirigem para o eterno, mas esta linguagem perene não é para o poeta enquanto vivo. Este – o poeta – é o único artista que vislumbro sem possibilidades de chegar ao sucesso durante a sua passagem por este plano terreno.

Um louco qualquer (lá por 2100) olhará para o passado e encontrará o registro de nosso tempo, de nossos destinos tão condicionados à contextura material, globalizada, tão premidos pelas injustiças e falta de liberdade de escolhas. Tanta pobreza aos olhos daquele que deseja ver...

Creio na Arte e no determinismo histórico. Meu espírito é instrumento de Amor, de entrega ao coletivo. Não tenho tempo pra avaliar o certo e o errado. O pecado é a originalidade.

O resto é de Deus, salvação para os que contam tempo.

– Do livro CONFESSIONÁRIO – Diálogos entre a Prosa e a Poesia, 2006 / 2007.
http://www.recantodasletras.com.br/cartas/55960
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 03/10/2005
Reeditado em 21/05/2008
Código do texto: T55960
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 70 anos
2581 textos (709603 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/12/16 20:23)
Joaquim Moncks