Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Estranhos amores.

Não menti quando dizia te amar. Mas não era amor. Era apenas bem-querer. Sabia que quando dizias me amar, eram apenas palavras, que me faziam feliz. E tu sabias disso.
Atuávamos. Desejávamos amar, então criávamos, na vida real, papéis fictícios. Eu era a Julieta, a Rapunzel e tu, Romeu, o príncipe encantado, idealizado por mim.
Nossas promessas e juras de amor não passavam de palavras frias, apaixonadas e ao mesmo tempo, indiferentes.
Ansiava pelo momento, na noite, em que nossos encontros aconteciam, sabendo que o tempo era curto, pois sempre havia outras a serem atendidas em suas angústias emocionais.
Minha consciência me acusava quando dizia te amar. Chamava-me de mentirosa, ardilosa, cínica. Dizia-me que teu papel de sedutor, refletia também tua enorme carência e que te mentir, ainda que soubesses que era assim, fazia-te vítima também. Eu mantinha o teatro porque não queria que te afastasses. Preferia tuas brincadeiras conhecidas a me expor ao risco de recomeçar com outro ator.
Fingíamos com tamanha convicção, que acabamos acreditando nas próprias mentiras. Sofremos, nos magoamos, nos ressentimos e essa dor foi real. Dor duplamente real. Saber que havíamos brincado de amar e sermos amados e sabermos que acabado o encanto, voltaríamos ao nosso mundinho, com seu cotidiano, com sua rotina. Que as promessas cairiam no esquecimento, que outras pessoas viriam a ouvi-las e acreditar nelas, de mentirinha.
Foi necessário sofrer de verdade, para perceber a intensidade com que mentiras, mesmo ditas com a intenção de torná-las realidade, ferem, afetam nosso emocional.
Mas, ainda não sei quando deixamos de fingir, de mentir. Aqui, ou lá, somos iguais. Criamos uma imagem, alimentamo-la e acreditamos que ela é real. As máscaras, infalivelmente, um dia descolam, caem. Novas dores nos esperam. Quando deixarmos de mentir a nós mesmas.

19/09/2007
Vitoria Lerinha Haubert
Enviado por Vitoria Lerinha Haubert em 19/09/2007
Reeditado em 19/09/2007
Código do texto: T659420

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Vitoria Lerinha Haubert
Sapiranga - Rio Grande do Sul - Brasil, 72 anos
266 textos (18936 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/08/17 23:00)
Vitoria Lerinha Haubert