Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Um sistema de muitas equações e muitas incógnitas (para uma amiga)

Querida amiga.

Conversavamos ontem pelo MSN e de repente você me colocou uma série de coisas que eu fico sempre a pensar até que ponto não estão certos
aqueles que abdicam de muita coisa nessa vida.
Viver não está fácil: é trabalho (ou a falta dele), é dinheiro (ou a falta dele), é afeto (ou a falta dele), sexo (ou a falta dele) e aí vai. Criamos a nossa infinita teia de carências e satisfações e, ao mesmo tempo, ficam "buzinando" na nossa cabeça: seja ético, tenha moral, seja feliz, não traia, não mate e por aí vai a longa relação dos "nãos" que acabamos por dizer "não" para nós mesmos e "sim" para o mundo.
A gente têm tanta ilusão, não é? Parece que sempre tem um novo jargão
para designar uma nova teoria acerca de algo que é mais velho do que a
própria humanidade, está entranhada na nossa carne, que faz latejar o
nosso desejo, nos faz procurar e procurar e procurar até ao menos achar que se encontrou. Quem é dono do nosso desejo e de nossa afetividade? Que escritura dá posse plenipotenciária de tais coisas?
Fico pensando nos meus 7 anos e já deu muito pano para manga. Decidi
não pensar mais em nada, seguir vivendo, tentando, observando, construindo. Acho que o mar não está para peixe, não comporta a utopia ou mesmo a ilusão amorosa. Há de se ter os pés no chão, a cabeça entre as nuvens e um certo senso de irresponsabilidade para topar a aventura de se
lançar aos braços de outra pessoa, sem medo.
Viver torna-se um sistema de muitas equações e muitas incógnitas que
deve-se resolver com bastante singeleza e sem elaborar teorias
mirabolantes, digo, novamente para fazer coisas simples, dar respostas
ao dia dia, ao feijão com arroz.
Deve-se também, ouvir muito o poeta, principalmente naquele trecho que
diz: "seja eterno enquanto dure". Talvez isso seja impossível, já que
insistamos no peso das nossas ilusões. O universo acaba conspirando
para que a gente tenha claro a urgência de viver o momento, de aproveitá-lo e não substimar o fato de que a vida é curta, seja ela
solitária ou à dois.
Na verde, há um tempo para reprocessar tudo o que aconteceu e criar um
novo conceito, uma nova realidade, um novo momento baseado na clara
concepção que não há nada de novo sobre o sol, tudo é um reciclar
eterno.
Viver, portanto, é olhar para as mesmas coisas com um carinho
diferente e fazer com que a esperança sempre renasça, esperança
baseada, muitas vezes, em nada.
Precisamos, também, nos contemplarmos com o direito à dúvida!
Duvidar-se das fórmulas, duvidar-se das certezas mas jamais duvidar do
valor de quem somos e do que construímos.
Talvez, ao menos nesse plano, não há quem possa nos julgar sobre o que
fizemos ou deixamos de fazer. O que podemos fazer por nós mesmos, é
reconhecer nossa humanidade e seguir em frente, sem medo, sem rancor
ou mágoa.
Talvez nem a gente mesmo saiba como somos fortes! Se não, cabe-nos
descobrir, AGORA!
Beijos do seu amigo.
André Vieira
Enviado por André Vieira em 25/09/2007
Reeditado em 25/09/2007
Código do texto: T667801
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
André Vieira
Piracicaba - São Paulo - Brasil, 52 anos
64 textos (8550 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/08/17 09:52)
André Vieira