Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Apostas

Não entendo como posso estar com os pés no chão, se meu corpo sempre esteve no ar, eu sempre soube voar...
Não entendo o que seria pisar em ovos se estivesse com você, se não estar já me deixa assim
Não quero essa como a nossa última carta de amor, na verdade até quero, mas não consigo simplesmente deixar de pensar em você.
É estranho, me sinto cansada, meus olhos já não tem o mesmo brilho, minha voz já não sabe mais cantar, eu queria muito ouvir você dizer que vai ficar tudo bem.
Mas que loucura, ficar tudo bem, acho que não quero que fique assim.
E você sempre teve razão as vezes a gente se apaixona...
Eu sempre quis te olhar nos olhos e dizer tudo o que acontecia comigo naquela maldita noite, em que nem acreditei que estava em seus braços.
Sempre teve razão nisso também, eu quis ser sua e só sua, te desejei desde a primeira vez que te vi e depois vi você simplesmente escolher não ficar, ou melhor, escolher não me dar escolha alguma.
Ah meu amor, acho que é a primeira vez que te chamo de meu amor, quanta coisa mudou depois que você..., bom voce sabe..., no fundo sabe.
Dificil ser sincera sem ser banal, lembro cada detalhe, e me amaldiçoo com a sua ausencia presente, como posso continuar se eu ainda estou lá, naquela noite...
As vezes penso em como sou tola e ingenua, na verdade nunca passei de uma criança, um parque de diversões onde você se divertiu, outras lembro da mulher que fui quando você me mostrou tudo o que poderiamos ter sido.
Lembro a sensação de perda e de perca que tanto dizia ser muito grande, na verdade nem era tão importante assim...
Um dia você vai entender que as vezes a gente se apaixona, e quando acontecer, não quero estar perto, nem longe, quero estar aqui onde sempre estive.
Ah meu Amor, pela segunda vez te chamo assim, voce não pode ter me esquecido tão rápido assim.
Ou pode??? Eu sei que sim...
Na certa com outro alguém, por que será que só eu não consigo mais me entregar como me entreguei pra você?
Por que faço perguntas que já sei as respostas?
O destino parece gostar de brincar comigo, certa vez me disseram isso e agora entendo...
Quanto mais eu fujo de tudo o que sinto mais se volta o mundo contra mim, eu joguei os dados, mas depois de vê-los ao ar fiquei com medo de perder a aposta e fechei meus olhos.
Acho que joguei os dados longe demais, e realmente perdi a aposta mas o mais difícil vai ser aprender a apostar de novo;
Nathalya Etchebehere
Enviado por Nathalya Etchebehere em 26/09/2007
Código do texto: T669402

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Nathalya Etchebehere
Ribeirão Preto - São Paulo - Brasil, 33 anos
253 textos (23040 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/10/17 23:58)
Nathalya Etchebehere