Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Mar afora

Homem da pele lisa, menino da alma enrugada....esse sou eu...seguindo sempre em frente em meus caminhos, pois nunca me importaram o tamanho dos desafios, meu corpo é como um grão de areia que um dia já foi montanha...basta que eu feche os olhos para que todas as minhas vontades se juntem pra cumprir meus sonhos... e de olhos ainda fechados sou capaz de realizar qualquer desejo, quero atingir com o pensamento o centro do universo.
Com os pés enterrados na areia estava mirando o mar(tem tanto sal nessas palavras que escrevo)...e ouvia uma pequena voz vindo desse oceano, como um eco sem palavras, repetindo, repetindo, repetindo sem parar: “ Ao olhar para as minhas águas tu estás a olhar para a superfície dos meus olhos, venha até a mim e conheça o fundo do meu coração...”...e as pegadas deixadas na areia foram as únicas testemunhas dos últimos passos de um homem em direção ao coração marinho.
E sozinho penetrando mar adentro, as carícias do oceano na pele me faziam lembrar da minha primeira morada, o ventre da minha mãe... e nadando sentia que meu corpo não era mais meu corpo, era sim mais uma gota no meio de toda aquela água salgada, menino de mãos pequenininhas e das lágrimas marinhas...a terra estava cada vez mais distante a cada braçada, mas na gravidade do profundo das águas eu me sentia cada vez mais puro e mais próximo do coração marinho...barquinho de papel que nunca vai se desmanchar.
E um tempo depois a voz de antes já não era pequena e repetia, repetia, repetia não em meus ouvidos, mas na minha boca sem cessar: “ Mais pra dentro, mais adentro, mais adentro do mar, pois ele é a casa das lágrimas que já secaram...segue mar afora sem mau, até que você não veja da terra mais nenhum sinal...”..eu me sentia como veleiro singrando em direção a África , uma nau navegando em direção a Portugal, viver não é preciso, navegar é preciso...
Nadei muitas horas mesmo, até que estivesse onde jamais estive...tão além, tão longe da terra e tão dentro, tão adentro do mar...o meu passado e o meu futuro se encontraram naquele lugar....a volta foi difícil, tive que boiar algumas vezes...flutuei ao sabor das marés, conversei com os ventos...nunca antes havia sentido a liberdade fluir em mim de forma tão real assim.
Quando cheguei de volta à praia já era noite...a noite que com seus encantados mistérios nos torna todos espectadores,a noite que potencializa todas nossas dores, admiro tua sombra, pois é ela que transforma meu preguiçoso sono nos mais lépidos e doces sonhos.
Passei o resto da noite hipnotizado, olhando para o reflexo da lua derramando-se sobre o mar... nada pra mim nessa vida combina mais do que lua com mar, definitivamente feitos um para o outro...e quando a manhã chegou e apagou as estrelas e o luar, o gosto de sol invadiu a minha boca e minúsculas nódoas de tristeza ainda se atreviam a manchar minha alegria, réstias de dor que teimam em nunca partir...foi quando vi...sim eu vi uma cena que mudaria a minha vida na dramaticidade do pra sempre.
Bem ali pertinho de mim um filhote de gaivota piava e um pouquinho mais ao longe uma outra gaivota maior, que deveria ser sua mãe, atenta piava de volta, só que mais forte e mais alto que o filhote... e foi quando aconteceu...a pequena gaivota abriu suas grandes asas brancas, que também eram pretas nas pontas...abriu suas asas para voar pela primeira vez sobre o oceano...e enquanto estava ainda ali pertinho falei para ela olhando em seus olhinhos :
“Gaivota leve-me em tuas asas...”... e ela levantou vôo trôpega enquanto no solo e livre, leve e solta quando no ar...decolou com graça, em direção ao centro do universo, a caminho do coração marinho...me levando sozinho em suas asas...
http://andre.aquino12.blog.uol.com.br
Andre Luis Aquino
Enviado por Andre Luis Aquino em 18/03/2005
Reeditado em 18/03/2005
Código do texto: T6937
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Andre Luis Aquino
Taguatinga - Distrito Federal - Brasil, 42 anos
133 textos (2672 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 13:10)
Andre Luis Aquino