Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Chuva!!!

São Pedro,

Aqui na cidade o tempo cinza aliado com a mudança brusca de temperatura que inevitavelmente resultam em preguiça e motivam (de modo geral) deixar tudo que é possível para amanhã causando acumulo de afazeres; deixa a desejar para mim que tenho como sobrenome pessoa que não pára. Escrevo para dizer que PRECISAMOS DE CHUVA E NÃO DE DIAS CINZENTOS! Desculpe o tom, mas o senhor sabe do que é capaz uma seqüência de dias cinzentos? É praticamente fatal para suicidas em potencial, maníacos depressivos ou menos, especialmente quando se trata de uma cidade grande.
Sabe São Pedro, eu entendo tua economia – ou seria birra? – em não mandar chuva e tento respeitar. É fato que aqui embaixo não somos disciplinados, assim como pouco – ou nada – foi feito desde o tempo em que falavam dos gases responsáveis pelo efeito estufa. Já te contei da minha canequinha? E do lixo que aqui em casa separamos para reciclar? Não jogo um papel que seja na rua, pode olhar na minha bolsa, é praticamente um lixo...É tudo muito recente, mas é um começo...
Nos últimos tempos eu mais agradeço do que peço. Hoje tomei a liberdade e vim pedir: mande chuva! Junto com ela, fique à vontade para mandar o nome do santo/ santa de sua confiança que possa interceder nesse apelo e conscientização da espécie humana.
Sendo franca, sinto que vai chegar o dia em que o senhor não vai mais atender apelos como este – ou vai ficar irritado e mandar cada vez mais chuvas torrenciais que caem no final do expediente ou em véspera de feriado. Que foi? Pensou que ninguém tivesse notado a tua indireta? Então Pedro: nem oito, nem oitocentos. Vamos ficar com o meio termo na santa paz do Senhor? Afinal de contas, uma mão lava a outra e diálogo ainda é a saída - acredito nisso, por isso te escrevo.
Hoje liguei para o meu namorado, que o Senhor sabe, ele esta em Manus, fiquei revoltadissima, quase todos os dias chove horrores lá e aqui? Nada! Sejamos justos neh?!
Pense com carinho. Podemos ter dias democráticos com sol pela manhã e chuva no início da madrugada, daquelas bem boas pra embalar o sono, sabe? Fale com Santa Clara e veja o que consegue fazer, por favor? Diga a ela, que eu gosto do brilho do sol tanto quanto gosto do som da chuva. Isso inclui o sol de inverno - aquele que não esquenta, mas se faz presente pra dizer que ainda não são dezoito horas e o expediente não terminou.
Se encontrar Santo Antônio, diga que eu já lhe devolvi o menino e que da próxima vez vou apenas dialogar - como estou fazendo agora. Aprendi a lição: na chantagem não se ganha nada... duradouro ou algo que o valha! Diga para ele não desistir de mim, sou boa gente e merecedora de sua atenção! Arranquei-lhe o menino num ato de desespero, mas não o mergulhei num copo d’água! Não fui tão cruel assim, concorda? Desculpe o desabafo. Se achar justo e conveniente; interceda por mim. Londrina manda lembranças à todos.
Apesar de não localizar o CEP nem a Caixa Postal; espero que receba esse recado e mande a chuva...


Muito Obrigada!
Tati Picon
Enviado por Tati Picon em 18/10/2007
Código do texto: T699034

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Tati Picon
Londrina - Paraná - Brasil, 32 anos
32 textos (5749 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/10/17 17:45)
Tati Picon