Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ARACAJU DE MURILO MELLINS


Oi, Murilo. Tudo bem? Você é simpático, cativante e mais outros adjetivos que não vou colocar só para não embrilhantinar o meu texto. O texto, hoje, dizem os dominadores da língua, deve estar mais para o gumex (gel).
O objetivo destas linhas é dizer que vi, vivi, olhei, namorei, chorei ao fazer uma leitura brevíssima do seu livro. Farei ainda outras leituras para, então, noivar e, em seguida, casar com a Aracaju romântica.
Seu livro realiza milagres. Revivi a infância e a adolescência. Procurei feito louca encontrar meu pai escorregando nas areias do Morro do Bomfim. Naquele exato dia ele foi detido e dormiu na prisão do mercado Thales Ferraz porque um sujeito “olhos-e-ouvidos-do-rei” escutou meu pai criticar o Governo Leandro Maciel. Foi a conta. Mellins, esta é uma recordação duplamente triste: pela prisão e pelo cerceamento à liberdade de expressão.
Quem será que teve a idéia de retirar aquele lindíssimo relógio da Praça Fausto Cardoso? Quem entendeu de substituir aqueles postes de iluminação com luminárias francesas? Vou perguntar a Luís Antônio Barreto, a José Anderson Nascimento, a Vladimir Carvalho. Não. Desisto. Não quero mais perguntar. De nada vai servir.
Sabia, Mellins, que eu cheguei a passear de bonde quando tinha só um ano de idade?
Naqueles bailes que você mostrou, eu não dancei. Comecei a freqüentar os clubes de Aracaju na segunda metade da década de 60.
Está engraçada demais aquela fotografia de um baile de Carnaval. A moça no meio do salão está prestes a desmaiar num porre de lança-perfume. Como você conseguiu aquele retrato de Tô-te-ajeitando? Uma beleza paradoxal.
Seu livro, Murilo, é para a gente sonhar, amar, reviver, matar saudades e “vir de saudades morrendo”. É gostoso igual a Aracaju. Aracaju você ama e ponto final. Aliás, todos amam Aracaju.
Aracaju romântica que vi e vivi não é para crítico analisar, meter o dedo, dar pitaco. Nada disso. É carta de amor e carta de amor é coisa íntima. Só os amantes podem ler. Caso contrário, trata-se de invasão de privacidade. Seu livro é pura cumplicidade, coita d’amor, soneto lírico como os de Camões e os de Vinícius de Morais.
Murilo, será que no computador do Céu está gravado e salvo (ou pelo menos na lixeira) o que cada um de nós viu e viveu? Será, Murilo? Bem, por via das dúvidas e da falta de fé, ainda bem que você guardou tão bem guardadas tantas maravilhas em seu livro porta-jóias.

Aracaju, março de 2007
TÂNIAMENESES
Enviado por TÂNIAMENESES em 05/11/2007
Código do texto: T724034
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
TÂNIAMENESES
Aracaju - Sergipe - Brasil, 69 anos
1684 textos (176321 leituras)
1 áudios (102 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/10/17 20:04)
TÂNIAMENESES