Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

NINGUÉM É UMA ILHA

“----- Original Message -----
From: "Recanto das Letras" <recantodasletras@recantodasletras.com.br>
To: "Joaquim Moncks" <joaquimmoncks@brturbo.com.br>
Sent: Monday, November 26, 2007 12:07 PM
Subject: Contato de visitante

Assunto: meu conto/crônica
Nome: Maria
E-mail: mariaairam@oi.com.br
Mensagem:

Obrigada Joaquim. Meu marido já tinha brigado comigo que isso não era um conto e sim uma crônica. Mas bati o pé até cansar. Capitulei diante de teu comentário. Já mudei a categoria. Como vês, não entendo mesmo nada de literatura, não sei nem classificar meus textos. Mas sei escrever o que penso e sinto.

Será que isso vale?

Abraços. Maria”.

Querida autora e primorosa leitora!

Não tens a obrigação intelectual de saberes classificar os teus textos, o importante é que eles sejam lavrados, saiam da cachola. O tempo e a reiterada experimentação e mais algum estudo te darão pistas para o futuro. Mas é necessário estar atenta também a isto: como ninguém é uma ilha, é bom ouvir os colegas escribas, conversar com eles, dialogar.

Neste Recanto das Letras aparece, nas dicas do administrador, como bem o sabes, algumas orientações para a classificação e subclassificação de textos a serem publicados nele. São notas fáceis de serem assimiladas pelos autores novos e novatos. É assunto que merece atenção e algum tempo...

Ah, que bom que tens um “maridão” que gosta de ler os teus textos! Isto é muito bom que ocorra dentro de casa, se bem que os “afetos” são péssimos críticos, principalmente em Poesia, porque tendem a não querer se incomodar com as pessoas com quem convivem. Para eles, pai, mãe, amado(s), tudo está sempre muito bonito... Esta é a regra!

Mas o autoritarismo do autor, assentado na auto-estima e ânsia de reconhecimento, cria alguns problemas.

Ainda mais que há rememorações de fatos subjacentes ao texto, em poesia, mercê do uso de metáforas, que remetem a situações afetivas que podem levar a possível cena de ciúmes e vir a produzir algum mal estar entre parceiros de afeição.

Grato por haveres levado em conta os meus ‘comentários’. Literatura é ato solidarista, antes de tudo. Somente os personagens e subjetivismos é que são nossos!

Cada vez mais me convenço de que não há novidade em criar e nem é de todo do autor o que vem ao papel ou ao monitor do PC, na contemporaneidade. Tudo é apenas intertexto, que é este ruminar do lido, ouvido, aprendido. Enfim, a confluência dos rios do viver.

É bem verdade que o ato embrionário do criar, a escritura resultante da chamada “inspiração” (que é fundamentalmente fruto da sensibilidade e da emoção) é um ato eminentemente solitário, pessoalíssimo. Mas este, no meu sentir, é apenas o primeiro momento da criação literária. Neste o texto está apenas sendo esboçado, ainda não está pronto e acabado como produto final.

Em regra se apresenta cada vez maior, mais incisiva, a possessão sobre a coisa “aparentemente criada” quanto menos versado intelectualmente e/ou inexperiente for o seu autor.

É de todo aconselhável examinar com acuidade a matéria ardente recém-saída do forno, num segundo momento de criação, o da “transpiração”. Enquanto não chegar o criador literário a este novo momento, em que prevalece a intelecção, a lavratura será apenas a de um confidencialista.

Enquanto o texto não passar pela intelecção – para forjar a auto-crítica sobre a forma e a mensagem criada – texto e autor são apenas embrionários. Nesta fase inicial da criação experimental em Poesia, o criador é muito mais parapsicólogo em formação do que literato.

De onde vem esta teimosia confessa, desbragada, quase sempre presente no iniciante em Letras? Por certo está no subjetivismo fruto da possessão. A trava maior para o crescimento pessoal é a de se imaginar dono do texto, seu senhorio desde o primeiro instante até o abrir-se a porta aos leitores. E é a publicação do texto que equivale a esta metáfora do "abrir a porta"...

Até se pode tolerar a paixão possessa pelo texto enquanto ele está manuscrito ou ainda nos domínios de seu criador, fruto da compulsão do criar. Mas, depois de nascido e visto pelos outros, ele é dos domínios do real...

Vida longa aos condenados a pensar! Que haja muitos olhos para as suas crias. Que elas botem a boca no mundo...

– Do livro CONFESSIONÁRIO – Diálogos entre a Prosa e a Poesia, 2006 / 2007.
http://www.recantodasletras.com.br/cartas/754064
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 26/11/2007
Reeditado em 20/05/2008
Código do texto: T754064
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 70 anos
2776 textos (755030 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/08/17 17:52)
Joaquim Moncks