Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CASA COMIGO? (segundo motivo dos deuses loucos)


Há no meu coração um pressentimento latente, uma vaga quase certeza, uma fé secreta de que a afinidade que existe entre nossas naturezas virá um dia se manifestar e mais cedo do que imaginamos nos acolheremos para sempre.

convido-te, vem de teu lugar incerto, fiquemos juntos aos pés de Hélicon, o monte grego consagrado à musas, admirando as águas que dali jorram e dão inspiração poética. Lá recitarei doces poemas de amor. Depois diante de Flora, a deusa das flores e dos jardins, mãe da primavera, testemunharei meu amor e a ela pedirei, que enfeite teus finos cabelos com pétalas de flores de todas as belezas, rosas vermelhas, lírios brancos, papoulas, violetas, miosótis, carmélias, hortênsias, orquídeas, girassóis de ouro.

Te levarei a Marte. O deus da guerra e dos agricultores, o primeiro dos planetas chamados superiores. Jurarei a Marte que lutarei por tua vida. Visitaremos Vênus, a deusa da beleza e do amor. A ela me ouvirás dizer: Oh, Vênus, tu que casando com vulcano fostes a mãe do amor, saiba que este filho teu mora em mim e esta é a mulher que amo. Ei, Orfeu, notável poeta e músico, tu que encanta a todos que te ouvem, me cede esse dom. eu preciso encantar a alma que faz pulsar meu coração. Prometeu, tu que és o deus, o gênio do fogo, que roubastes o fogo do céu para animar o homem, acende a chama do amor no coração da mulher que chamo.

Apolo, deus da luz, das artes e da adivinhação, tu, o irmão gêmeo de Ártemis, que és o deus do dia, põe o brilho do amor nos olhos de minha adorada, para que seja minha, pois que é tão linda quanto Clície, a tua ninfa amada.

Bóreas, deus dos ventos do norte, nos carregue até Diana, a rainha dos bosques, para que ali por entre as árvores descansemos protegidos por Morfeu, o deus dos sonhos, filho da noite e do sono, que ali nos venha Eros ou cupido, o deus do amor para nos juntar para sempre.

E que ninguém nos queira mal. Estaremos sob a guarda de Érinis, a deusa da vingança, os lhos de Nêmesis, a deusa da justiça nos vigiarão. Laquésis, que fia os dias e os acontecimentos da vida, tecerá para nós um destino comum e duradouro.

Por fim chorarei lágrimas de felicidade aos pés de Júpiter, o pai soberano dos deuses. Repetirei teu nome e direi infinitas vezes: te amo! E ainda assim, mesmo que Átropos com suas fatais tesouras tente cortar o fio da nossa existência, o meu amor será como Fênix, a ave fabulosa e renascerá sempre das cinzas.

Deuses loucos, deuses fatais, este convite perdido dentro de mim. Onde anda o meu amor?

Edmir CARVALHO BEZERRA
Enviado por Edmir CARVALHO BEZERRA em 14/01/2006
Código do texto: T98865
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Edmir CARVALHO BEZERRA
Belém - Pará - Brasil
55 textos (5346 leituras)
5 e-livros (14875 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 15:59)
Edmir CARVALHO BEZERRA