Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Belém, 15 de setembro de 2005.



CARTA ABERTA AO POETA EMBRIAGADO


Permita-me a licença dos rigores das formalidades e perdoe-me se lhe escrevo de forma simples e direta.

O escrito que segue não tem a pretensão de tomar-lhe o tempo, que sei, lhe é precioso.


Estive muito pensativo após nosso encontro de ontem. Devo dizer que criei expectativas demasiadas. Para mim os começos se fazem sempre difíceis, e você foi logo me pondo no meio da roda, convidando-me a mais altiva cadeira, havia ali instalada uma dinâmica que me causou certa estranheza, me aproximei procurando manter uma postura fraterna e de colega. Silenciei diante dos olhares que procuravam algo em mim. Minha timidez me roubou a língua, sobretudo no momento da oferta da bebida alcoólica, minha recusa por não ingerir álcool pareceu causar reprovação na reunião. Ainda mais me embrulhei por dentro depois do seu comentário “fazes tu muito mal em não beber” . Os risos que se espalhafataram pelo ar me puseram vexaminoso. Percebi, ali que se sua língua mordesse um inseto estaria correto. Você era o rei do lugar.


Ensaiei a conversa reservada, sobre poesia, você deitou um pequeno pronunciamento ao meu ouvido sobre Neruda. Então ´confesso que vivi´ titubeante um instante, tentando entender o que dizia, se após os rasgos elogiosos, você atirou pedras nos poemas de amor, me convidando a forçar invenções para que a poesia não morra.

Depois a conversa de roda, tomou rumos de trivialidade, fiquei pensando nos que se isolam por não suportar nem os zumbidos das moscas. Lembrei-me de Guimarães Rosa incomodado com o reza-reza das devotas sem pecados na via-sacra de uma sexta-feira santa. Aquilo não o deixava escrever. Confesso-lhe, que a mesquinhez e o vazio, quase me tomam conta.

Sou um militante da palavra, fico garimpando relíquias, minuscularidades e imagens que se sentam sobre pedras. Sou capaz de ficar horas contemplando uma aranha em seu trapézio, gosto de ver as velhinhas remendadeiras, lambendo a ponta da linha para enfiar na agulha, fazem umas caretinhas, umas ruguinhas, queria saber a história de cada ruguinha. Adoro conversar com velhinhas, a língua portuguesa fica tão engraçada e doce quando dizem estâmago, horríve, que a pequena foi estrompada, que não há uma arma viva na rua, quando falam excrisivamente. Além do mais elas têm um vocabulário cheio de palavras poéticas. Ainda guardam corpetes, usam anáguas, penteiam os cabelos com pente fino, usam talco. Olha, ela é do tempo do ilhós, guarda seus trecos na frasqueira, gosta de bolacha maria, toma café trimilicando os lábios, isso faz um barulinho engraçado, pois toma o café engolindo vento. Como pode uma senhorazinha de oitenta e oito anos se ajoelhar todos os dias às seis para rezar ave-marias. Não é possível que haja um céu que não aceite uma velhinha.

Deixa eu voltar, poeta. Foi apenas uma digressão. Não fiquei por muito tempo, pois não compreendi seu gozo pelos bajuladores. Queria tanto falar de poesia, mas descobri que depois de dois copos de cerveja, nada mais se leva a sério. Gosto de converseiros sussurrantes, talvez pela minha timidez. Mas as raras conversas e encontros que ando a ter sempre são para mim sinceros e de bom tom, não me lembro de ter passado em algum lugar inspirando cuidados, ao contrário coloquei-me sempre como alguém que se podia e se pode confiar. Em certos momentos, brinco muito com todos, mas é porque meu espírito insiste em ser brincalhão, gosto de ri com as pessoas e de ´fazer imagens com o que sinto´.

Meus pensamentos, minhas convicções ideológicas, não as colhi do vento, ouvi sempre o espírito de homens e mulheres revolucionários e revolucionárias. Não me permito o egoísmo da vingança, não sirvo para os discursos desatinados. Para mim, todo mal que se passa é como um chuvisqueiro malogrado, como chuva sem sucesso, como a tempestade que se avizinha e quando corremos para fechar as portas e janelas, já o vento se encarregou de arrastá-la para longe.

Nunca peço que me ponham na conta dos melhores, mais fiéis ou mais justos, conheço minhas fraquezas e meus limites, por isso às vezes silencio, porque não sirvo para o exercício da mediocridade da intelectualidade. Sou um homem avesso à hipocrisia e abomino atos conspirativos. Minhas palavras uma vez que as dou não as retiro, pois minha consciência para mim é sagrada, como é sagrada a consciência e as opiniões de cada pessoa. Talvez por isso, nunca durmo tranqüilo, não por algo me pesar, não por carregar alguma culpa, mas por uma capacidade de indignação que trago à flor da pele, pelas feridas da humanidade e por uma inquietação revolucionária que sempre me trás imagens de dias melhores para o nosso mundo, para o mundo de nossos filhos. Mas tudo isso são apenas lamentos meus. Deixe-me voltar antes que caia em nova digressão e você sabe que daí para um delírio, bem....

Andei meio abalado e deprimido, maldizendo nosso encontro, mas só agora me dou conta de que foi um sucesso. Foi sim! Você estava embriagado e eu lúcido, eu querendo poetar e você querendo ser gente de carne e osso. Perdão, poeta! Pisei o seu terreno, achando que estava em um mundo que era meu. Faça-se de perdoado, por favor e tome estas palavras que em frente vão. Coisas que creio e outras das quais me desvio.


Acredito profundamente nas palavras de Leon Trotsky – e isso não é ser trotskysta - “A vida é bela. Que as gerações futuras eliminem dela todo o mal, opressão e violência, gozando-a plenamente.” Esta é a nossa única dívida para com os nossos irmãos e irmãs.

E longe fico dos sabedores, dos iluminados, dos intelectuais forjados nos porões da deslealdade e da conspiração. Lá eles aprenderam a só dizer meias palavras e das meias palavras à mentira basta apenas um passo, por isso ouvimos discursos cínicos, palavras desbotadas de tão repetidas, como crianças que repetem a toda hora o que ouvem da mãe e do pai.

São pobres aprendizes, leitores de orelhas de livros, são como ´os palhaços apresentadores de televisão que não dizem nada, que gaguejam num português ridículo e abominável´. Por isso insisto no silêncio da língua.

As coisas poderiam ser diferentes e melhores se as pessoas se tratassem com mais respeito. Gestos simples de doação e solidariedade bastariam para que fossemos felizes. Mas o egoísmo, a ambição, o simples se achar maior do que realmente se é, endurece almas e corações.

Tomo-lhe o tempo, penso que a esta altura já lhe cansa o que escrevo, mas é que ao escrever digo melhor o que sinto. Confie caro amigo, não há em mim um malfeitor a apunhalar pelas costas a quem não me quer bem. Sou um trabalhador que ergue sempre a cabeça e digo ´vamos companheiros, vamos companheiras, vamos lutar contra as artimanhas do malvado, contra aqueles que repartem a fome e a miséria.´


VOCÊ ME PERDOA, POETA?

Edmir CARVALHO BEZERRA
Enviado por Edmir CARVALHO BEZERRA em 14/01/2006
Código do texto: T98877
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Edmir CARVALHO BEZERRA
Belém - Pará - Brasil
55 textos (5345 leituras)
5 e-livros (14875 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 16:52)
Edmir CARVALHO BEZERRA