Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O GRITO DA ÁGUA

O GRITO DA ÁGUA

Hoje eu sou gota
e caio do céu,
amanhã serei oceano,
rio, lago, manancial.
Hoje eu sou límpida
amanhã já não sei.
Nada é para sempre,
nem as geleiras estão iguais.
De qualquer processo que participe,
na organização natural
ou em trato do homem
químico-físico-industrial,
eu sempre vou estar por aqui
enquanto houver gravidade.
Às vezes limpa, suja, potável, impotável,
vapor, líquida ou sólida,
sirvo e dou vida ao homem inteligente,
ao animal e também ao vegetal,
sou passiva e sem razão.
Cuidado, ainda assim, com este nosso mundo
que o homem predador está matando,
pois eu tenho que continuar
e, no ciclo da vida,
do jeito que for,
neste espaço,
eu tenho que me acomodar.


Publicado na ciranda água... preservar é preciso! - grupo ecos da poesia.

Confira minha participação no site:
http://ecosdapoesia.net/cirandas/agua.html
Mario Rezende
Enviado por Mario Rezende em 09/11/2005
Reeditado em 22/08/2006
Código do texto: T69090

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Mario Rebelo de Rezende). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Mario Rezende
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
689 textos (50928 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 21:24)
Mario Rezende