Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CRUELDADE.,,,NA NOITE DE NATAL...,

    RÉGIS ESTAVA TRISTE NAQUELA TARDE QUENTE, EM MEIO A PILHAS DE LIVROS,O HOMEM EXALAVA MAL CHEIRO, E NÃO PARAVA DE ESTUDAR,,,

    FALTAVA APENAS UMA HORA PARA MEIA-NOITE, ERA NATAL, E ELE NEM SABIA DISSO, SEU OBJETIVO ERA PASSAR,,,PASSAR E PASSAR...NO TST; ELE JÁ NÃO POSSUÍA SEQUER UM BOM CAFÉ PELA MANHÃ, GASTARA TUDO QUE TINHA NA INSCRIÇÃO E NAS APOSTILAS, DOUTORADO EM FÍSICA, NO ESTADO GANHARA MIGALHA,,,E NUM BELO DIA,,DE CHUVA,,,ELE TOMOU A DECISÃO QUERO SER FUNCIONÁRIO FEDERAL, EM BRASÍLIA....E AÍ COMEÇA A SAGA DE UM HOMEM SEM RUMO.,,,E COM FÉ,,,

   - RÉGI, RÉGI.,.,.ABRE A PORTA HOMI, TROUXE UMAS RABANADAS FRITINHAS PARA VOCÊ...SOU EU,,,DONA ANTONNIA, TUA VIZINHA DO 257, LEMBRA? HOJE É NATAL,.,,,
    O CHEIRO DE SUOR, ESTAVA MATANDO, RÉGIS LEVANTOU SEUS OLHOS CANSADOS, E LEVANTOU LENTAMENTE.,,,SEUS ÓCULOS ESTAVAM EMBAÇADOS, E SUAS MÃOS DORMENTES,.,,
     ELE CAMBALEOU ATÉ A PORTA, DO MINÚSCULO APARTAMENTO, E DISSE, QUASE MORIBUNDO, - ESPERA UM POUCO, VOU ABRIR,,,,A MULHER RETRUCOU, TÁ BOM FILHO , EU ESPERO.,,,

     O HOMEM, ABRIU A PORTA, E QUANDO A MULHER ENTROU NAQUELE LOCAL, SENTIU UM ODOR,,,,MAS NADA FALOU..

     O AMBIENTE ERA LÚGUBRE, E NÃO TINHA LUZ, A MESMA JÁ TINHA SIDO CORTADA, HÁ DOIS MESES, ANOITECIA, E RÉGIS JÁ HAVIA, ACENDIDO DUAS VELAS PERTO DA MESA, EM CIMA DE UMA VELHA ESCRIVANINHA,A SENHORA DAS RABANADAS BEM FRITINHAS, GAGUEJOU MEU FILHO, QUER ESTUDAR EM MINHA CASA, APROVEITAMOS E PASSAMOS O NATAL JUNTOS?

     O ESTUDANTE INVETERADO, BALBUCIOU CANSADO, SIM,,,,,,MAS PRECISO LEVAR MINHAS DOZE APOSTILAS.,,,A SENHORA ME PERMITE...SIM QUERIDO,,,DIGO SENHOR RÉGIS,,,,

   CHEGANDO AO 257, A MULHER, ORDENOU QUE O HOMEM, SENTASSE, EM SEU SOFÁ BRANQUINHO, COISA NÃO MUITO COMUM, EM SE TRATANDO DA DONA EM QUESTÃO, A TAL ERA MUI LIMPA, OU MELHOR, ESQUISOFRÊNICA, EM QUESTÕES DE LIMPEZA.

   JÁ ERAM 23 E 48 H, E ELA HAVIA SE DIRIGIDO AO SEU QUARTO, DESDE AS 23 H, O SENHOR RÉGIS, RONCAVA NO SOFÁ, QUANDO DERRREPENTE, SENTIU UMA MÃO, EM SEUS CABELOS, ACORDOU, E VIU A MULHER NUA, EM PELO, O ABRAÇANDO, COM UMA RABANADA, NA BOCA, ELE GRITOU ....E QUIZ FUGIR, DALI IMEDIATAMENTE,,,QUANDO CORREU ESCORREGOU NAS SUAS DOZE APOSTILAS, BATEU A CABEÇA E MORREU,,,,NA NOITE DE NATAL.,
Valéria Guerra
Enviado por Valéria Guerra em 13/11/2007
Código do texto: T735967
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Valéria Guerra
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
3379 textos (114700 leituras)
196 áudios (9294 audições)
3 e-livros (174 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/08/17 10:28)
Valéria Guerra