Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

UMA NOITE DE NATAL EM CAXIAS DO MARANHÃO



Era naquele dia véspera de natal, esperança de luzes que todos aguardavam chegar. A cidade circulada de lâmpadas coloridas enfeitava os diagramas das praças, árvores e jardins. Os prédios desciam cordões coloridos e incandescentes, reluzindo a vida, a paz e a união. E o tempo simbolizava o ritmo acelerado das horas, revoando sem cessar as brisas, e o centro da cidade transformava-se num mundo comercial entre lojas e designer. Lá no centro, papai Noel sorrindo ao lado de várias propagandas. Um homem de 50 anos, magro, cabelos grisalhos, afadigado, olhar fixo e brando, observava as pessoas cruzando e contemplando feliz natal, enquanto suas pernas cruzadas naquele banco, cansavam-se na mudança constante. Garotos com caixas, pacotes, enfeites, adornos, brilhos, tomavam o espaço no centro comercial da cidade de Caxias, Estado do Maranhão tendo como a rua principal do comércio com fortes aparências com a  Rua Saara no Rio de Janeiro.

Uma jovem chamada Valéria Hezze e sua filha Mayra de  dez anos, descem a calçada da Praça Gonçalves Dias, indo à Rua do Calçadão antiga rua Afonso Cunha. As suas blusas refletiam um colorido verde e amarelo, relampejando na frente, o retrato da bandeira do Brasil, com sorrisos encantadores e sotaques de estrangeiras, entravam nas lojas e realizam várias compras. Em poucos instantes, a menina Mayra olha rapidamente para aquele homem taciturno sentado no banco, momento em que sua mãe o chama, a garotinha acompanha olhando para trás o perfil.

Já se passaram mais de três horas, transeuntes de um lado para o outro, num vai-e-vem daquela ruazinha apertada. A menina Mayra aproveita uma oportunidade, desgarrando-se de sua mãe, e vai até próximo o homem e pergunta.

-O Senhor já comprou os presentes de natal?

-Eu não tenho natal. O meu natal é você que fala comigo.

Argumentou o homem olhando para a menina.

-Porque o senhor está triste? Indagou a garotinha.

-Moro sozinho, filha. Minha família não é daqui, é do sertão de Pernambuco. Olhe menina, eu estou muito magoado, ontem me mandaram embora do emprego, sem direito a nada e com as mãos abanando. O que posso fazer? Nada.

-Senhor, no dia de natal todas as pessoas compram presentes e ganham?

-E tudo é natal, festas e presentes. Mas o menino Jesus de Nazaré não quer presentes, deseja apenas o nosso coração. Agora eu não tenho ninguém pra desejar um Feliz natal. Já supliquei emprego a todos dessas lojas e ninguém diz nada. Você ainda é criança pra compreender tudo isso.

-Não moço! Não fique se lastimando. Veja! Aquele menino Jesus bem ali vai lhe ajudar. Soluçou a garota com a mão na face.

A menina lagrimou em ver aquele olhar lúgubre e desvanecido, e saiu ao encontro da mãe que deliciava o presépio de natal da maior loja de eletrodomésticos da região dos cocais, o conhecido Armazém Paraíba. E chamou-a.

-Mayra! Venha olhar os três reis Magos, e o menino Jesus na manjedoura. Oh! que lindo.

-Sim mãe, é muito bonito!

-Mamãe! Quem foram os reis Magos?

-Sim filha, foram Baltazar, Gaspar e Melquior, os reis Magos aguardavam a chegada do menino Jesus. Antes dele nascer, eles viram um astro nos céus e seguiram a estrela que levariam até o menino Jesus, chegando lá reconheceram Jesus Menino como o homem que veio ao mundo sofrer.
Novamente Valéria Hezze articula.

-Mayra, está vendo aqueles saquinhos nas mãos deles, foram os presentes que ofertaram ao salvador do mundo com ouro, insenso e mirra.

-É linda a história de Jesus. Ali é Nossa Senhora e o José. Não é mãe? Inquiriu a menina.

-Sim filha, são seus pais.

-Olhe mãe! O jumentinho e o boi não saem de perto dele.

Afirmou Mayra.

-Sim, ali é o tabuleiro, local onde davam comida para os animais, nascendo na manjedoura, bem pobrezinho, o maior homem que o mundo já conheceu, o filho de Deus feito homem.

Mayra conta tudo para sua mãe que o homem que estar logo adiante, havia lhe dito que o natal era a própria Mayra, tais expressões emocionaram a menina.

- Mãe! Vamos ajudar. É pobrezinho, sem ninguém e sem emprego.

-Um momento. O que você quer dá pra ele? Falou sorrindo Valéria Hezze.

-Quero dá camisas, sapatos, meias e cuecas. Mãe! A camisa dele tá rasgada.

As duas entraram na loja do Armazém Paraíba e compraram os presentes do homem desconhecido.

-Hei moço! Ainda sou o teu natal? Disse Mayra brincando.

-Sim. Você é o meu natal por que seus olhos são felizes e cheios de amor.

-Não quero te vê mais tristonho. Por favor! Receba o meu presente de natal. Saiba que eu amo o seu país Brasil!. Em tudo vejo o sentimento rolar na sua face de uma criança boa.

- Estou vendo garotinha, que você não é destas bandas. Um dia o Brasil ainda vai lhe agradecer o teu amor pela minha pátria. Isso é legal pra caramba!

-Não chore moço!

-Estou emocionado. Ninguém nunca me deu nada. Nem mesmo o meu salário para que eu pudesse viajar passar o natal com minha família. Disse o homem lacrimejando e as gotículas caindo na camisa surrada. E de repente, Valéria Hezze exclama com seus cabelos loiros e ondulados, por trás de um sorriso de Copacabana.

- O que tem que ser... Será. Aqui está sua passagem de volta pro sertão.

O homem agradeceu pelos presentes, e partiu ao seu destino levando as lembranças amáveis dos corações argentinos. E na cidade sertaneja do Maranhão, a noite parecia ser dia, nascia o menino Jesus, os sinos das igrejas rebatiam seguidamente, e os fogos de artifícios transvazavam de um lado para o outro em clarões luminosos.

Da sacada do Hotel Alecrim, Valéria Hezze e sua filha, brindavam à chegada do Messias trocando presentes e recebendo ligações telefônicas da Argentina. Tudo era festa natalina, papai Noel já descia as ruas em alta velocidade para entregar os presentes às crianças carentes. E o menino Jesus sorria na manjedoura abrindo os olhos para o mundo. Já é Natal, Feliz Natal.


ERASMO SHALLKYTTON
Enviado por ERASMO SHALLKYTTON em 28/11/2005
Reeditado em 07/09/2011
Código do texto: T77604
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
ERASMO SHALLKYTTON
Caxias - Maranhão - Brasil
4168 textos (2054864 leituras)
1 áudios (971 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 10:33)
ERASMO SHALLKYTTON

Site do Escritor