Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Uma goiaba para três

                                                            Uma goiaba para três

   Apesar do verão estar no início, a madrugada de 25 de dezembro não estava quente provavelmente em função da chuva fina que perdurava desde domingo sem causar maiores estragos para os desafortunados. Havia uma brisa leve que provocava um suave balanço das folhagens das dezenas de árvores existentes naquele quarteirão em construção. A parte comercial estava pronta desde setembro e já atendia regularmente aos moradores que durante o dia apareciam no local para construir suas futuras residências.

   Somente os postes localizados nas esquinas estavam acesos. Dava para vislumbrar os esqueletos das construções em fase final. Três casas já estavam habitadas e mantinham seus lampiões elétricos acesos durante a noite, ajudando na iluminação da rua ainda mal asfaltada. Em menos de quatro meses todas as 220 casas deveriam estar habitadas.

   O velhinho de barba branca pareceu surgir do nada. Estacionou e desceu do veículo meio empenado pelo peso que carregava. Soltou os animais para que eles bebessem água numa das poças existentes no local. Sentou-se, tirou as botas pesadas e exercitou os dedos dos pés com velocidade. Devido ao forte odor de queijo que exalavam, levantou-se para deixar as narinas mais longe desta fonte que lhe trazia fome. Ouviu o ruído da ruptura do tecido nos fundos da calça marrom. Na verdade já fora vermelha. Mas o acúmulo de poeira ao longo dos meses sem lavá-la mascarou sua verdadeira cor. Ao chegar em casa faria a costura necessária.

   Descalço, começou a passear pelo local. Parou em frente à primeira casa, com dois andares. Dava para perceber que era de gente abastada. Jardim bem cuidado, dois carros modernos na garage, piscina, área para churrasco e outras mordomias. Percebeu a meia rosa no trinco do portão dourado e chegou mais perto. Puxou a ponta do papel que exibia letras de computador e leu a mensagem editada.
"- Papai Noel! Peço-lhe que a empresa concorrente de papai tenha suas ações desvalorizadas para que ele possa compra-las por preço baixo e passe a dominar o mercado do aço em toda América do Sul já no próximo ano. Assim, poderei realizar minha sonhada viagem para a Suíça, que me deixará muito feliz! Beijos de Anita, 10 anos".

   O barbudo puxou sua bela caneta dourada que herdou do pai e escreveu no verso da folha:
"- Pequena Anita! Peça aos seus pais para deixarem de falar sobre negócios durante as noites em que jantam juntos. Puxe conversa sobre seu dia na escola e suas aventuras com os colegas. Peça ajuda nos deveres escolares. Diga-lhes que gostaria de freqüentar a igreja aos domingos e visitar crianças em orfanatos duas vezes por ano. Você será feliz quando puder ajudar aos necessitados. Do seu amigo PN".

   Saiu dali meio carrancudo e dobrou a esquina. A segunda casa era de um padrão mais modesto com apenas um andar, sem churrasqueira, sem piscina e um carro já com cinco ou seis anos de uso. O portão era de madeira. A meia era de um tecido mais popular e o bilhete com letras de máquina de escrever.
"- Amigo Papai Noel! Como sou um dos últimos da classe e será difícil me formar para conseguir um bom emprego, faça com que meu pai ganhe sozinho um prêmio na loteria federal para que eu não possa viver praticando esportes e freqüentando festas com as belas gatas da vizinhança. Abraços de Juca, 14 anos".
   A mão do barbudo não perdeu tempo em anotar a resposta no verso deste bilhete:
"Iludido Juca! Passe a freqüentar os bailes apenas uma vez por mês. Se jogar bola duas vezes por semana já poderá manter um bom físico para atrair as futuras candidatas a namoro. Durma cedo e preste atenção nas aulas. Dentro de quatro meses você vai perceber que seu rendimento escolar vai melhorar além da expectativa. Com isto, o futuro abrirá as portas com diversas oportunidades para você escolher um bom prêmio e criar um bom patrimônio financeiro. Do seu amigo PN".
   Chegando no final da rua, a parte menos agraciada do loteamento, observou que as telhas da casa tinham vermelhos de diversos tons. Nem existia portão na entrada. Apenas um tapume de madeira encostado no portal. No que parecia garage, duas bicicletas. Na ponta do galho da bem cuidada goiabeira balançava uma meia preta remendada com linha azul e contendo um pedaço de papel de embrulho amarelo escrito a lápis, com letras firmes.
"- Doce Papai Noel! Se estiver com fome, pode comer a maior goiaba que colhi ontem. Ela está enrolada num saquinho de plástico atrás do medidor de luz. Agradeço se você puder manter o emprego de meu pai para que ele possa terminar nossa casinha. Na próxima semana farei sete anos e vou trazer meus colegas aqui para uma pequena festa. Cada um vai trazer um prato de salgados e doces. Mamãe vai preparar os refrescos. Se você puder vir, será meu melhor presente. Quero que você conheça minhas poesias e meu gato Samuca. Agora vá entregar os presentes pois outras crianças estão esperando por você. Cuidado para o tapume não cair. Pode entrar algum cão que não vá com a cara do Samuca. Beijos de sua fã Bianca, 6 anos".
   As lágrimas não impediram a redação da mão trêmula e encarquilhada no verso do papel:
"- Doce Bianca! Com certeza você já é feliz e cada dia será mais. No momento deixo-lhe esta caneta como presente de aniversário. Continue escrevendo coisas doces com ela. Se Deus permitir, estarei aqui na próxima semana com meus amigos Diogo e Diana que vão adorar brincar com o Samuca. Do seu eterno amigo PN".
   O velho fez o trajeto de volta com o coração em festa. Nem tudo estava perdido. Recolocou as botas, afastou o veículo do poste e deu um leve assobio para os dois cães que dormiam sobre o mesmo.
- Vamos lá Diogo e Diana. Venham ajudar seu cansado amigo Pedro Nunes a puxar este carrinho até o depósito de papelão. A noite ontem foi generosa. Consegui mais de 150 quilos de material. Dentro de cinco dias vamos tomar banho pois temos uma festa para ir. Vocês querem um pedaço de goiaba?
Haroldo
Enviado por Haroldo em 28/11/2005
Código do texto: T77808
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Haroldo
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 71 anos
678 textos (24814 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 18:16)
Haroldo