Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A loteria

A Loteria
Lizete Abrahão

Roberto é um garoto de 16 anos e que vive numa pequena cidade do interior. É pobre, mas sua família, apesar das agruras da vida mantém-se unida. Quase todos ali trabalham, desde o pai até o irmão de 12 anos que vende os picolés feitos pela mãe. Apenas Tininha, a caçula, e o tio, já aposentado, é que  não trabalhavam: ela, por ser tão pequena e ele, por problemas sérios no coração. Diziam os médicos que qualquer emoção, por pequena que fosse, poderia ser-lhe fatal.

É Domingo. Véspera de Natal.
Depois da missa na Igreja Matriz, o pai foi roçar o que ele chamava de horta. Os pequenos dispararam para a pelada na rua. A mãe e Tinha, com rádio ligado e cantando junto, enfiadas na cozinha minúscula,  preparavam o almoço e adiantavam o que seria a ceia de Natal. Por ser domingo e a família estar  reunida, tio Pedro resolveu que iria pescar o almoço, no rio estreito que cortava a cidadezinha.
Pegou uma cesta, caniço e algumas minhocas. Quando saía da casa, lembrou-se de alguma coisa e voltou. Caminhando devagar, como sempre, meteu a mão no bolso e disse a Roberto, que tentava, em vão, consertar a fechadura da porta principal:
-Roberto, faz um favor?
-Claro, tio, pode pedir.
-Olha, falou mostrando um pedaço de papel, eu comprei este bilhete da loteria de ontem. Mas como não estava muito bem, tomei meus remédios e dormi. Perdi o resultado da loteria que dá no rádio. Mas eles repetem nos domingos, por volta das dez horas.Você confere para mim?
-Pode deixar comigo, confiro sim. Eta tio! Querendo ficar rico, é?
-É, bem que podia mesmo, se a sorte um dia viesse me visitar...Mas tenho que tentar, não é mesmo? Comprei o bilhete com o restinho que roubei da minha aposentadoria. Mas não diz nada para sua mãe. Ela não gosta que eu gaste dinheiro com o que chama de jogo de azar. Já pensou...poder dar uma vida melhor para vocês, e eu poder viver o tempo que me resta, sob a sombra da figueira, só sonhando...
E foi andando, olhos sonhadores, caniço, cesta e minhocas com ele.
-Mãe, grita Roberto, aumenta o volume do rádio, também quero ouvir música. E quando for sair o resultado da loteria, me chama correndo, quero ver se saiu um número que sonhei...
-Tá bom...tá bom...eu chamo. Mas que mania você e seu tio têm de só ficar pensando em ganhar na loteria.
A música espalhou-se pela casa, pelo quintal, perdia-se por cima da cerca, árvores...
E a fechadura nada de funcionar. Comprar outra nova, nem pensar.... Cantarolava...Depois do almoço iria até à praça. Quem sabe poderia encontrar a filha do seu João da padaria...bonita ela...
-Roberto! Olha o resultado da loteria! Gritou a mãe da cozinha.
-Tô indo. Pegou um lápis, na corrida, e colou o ouvido no rádio.
-Credo, rapaz! Pra que isso? Até parece que espera ganhar na loteria.
-Não é por nada não, mãe. Mas se sair o número que sonhei, compro um bilhete mesmo, se sonhar com números de novo.
-Compra nada, dinheiro não tá sobrando pra isso.
E Roberto ia anotando todos, em um pedaço do papel que embrulhava o pão em cima da mesa.
-Pronto, mãe, se quiser pode diminuir o volume, não saiu o meu número....
E se foi para a saleta.
Pegou o bilhete do tio, que guardara no bolso da bermuda, e sentou-se na cadeira que havia colocado para calçar a porta.
Um a um, os números foram sendo conferidos. E a cada um o coração saltava. Chegou ao primeiro prêmio. A mão até já tremia. Se soubesse que iria ficar nervoso desse jeito, não teria aceitado a tarefa, pensava.
O coração já nem pulava, corria em disparada. Olhou de novo, não podia ser! Todos conferiam! E era o primeiro prêmio!! Algumas lágrimas o impediam de ver direito. Seu tio ia morrer de alegria.
-Morrer??? Meu Deus do Céu! Virgem Maria! Você tem certeza?
-Tenho mãe. Mas como vamos contar pra ele?
-Nossa Senhora Aparecida! Ele vai morrer mesmo quando souber... E chorava copiosamente. Vamos esconder isso dele. Não queremos perdê-lo, não é mesmo?
-Claro que não, mãe. Mas ele tem direito de gozar desse dinheiro. Pode até se tratar nos Estados Unidos e ficar bom.
-Não, meu filho. O caso dele não tem cura, em lugar algum do mundo. É só uma esperança que ele alimenta.Tem os dias contados. Só eu e seu pai sabemos disso. Muitos médicos já falaram conosco.
-Vamos fazer assim  então: contamos só pro pai e, aos poucos, devagarinho, um tantinho por dia, contamos pra  ele. Ou, quem sabe, vou na lotérica e digo que o bilhete é meu? Não, não adianta. Mentiras têm pernas curtas. Ele ficaria sabendo, um dia, que seu bilhete foi premiado. Deus me livre de ele pensar que eu roubei dele! O que fazer mãe? É muito dinheiro!
-Mãe!Mãe!
Era Tininha, a caçula, correndo esbaforida e entrando na cozinha feito furacão.
- O pai tá chamando, venham ligeiro!
Mãe e filho saíram às pressas, atrás de Tininha, em direção ao rio.
-Olha mulher. O Pedro...Filho, veja seu tio...
Soluçava, lágrimas molhavam-lhe as faces, corriam pelos vincos como o rio estreito.
Estatelados, olhos arregalados, mãe, filho e Tininha olhavam o corpo do tio Pedro, recostado na árvore. Olhos fechados, peixes caraminguados na cesta.
-Meu Deus! O que aconteceu? - gritou a mãe.
Só então Roberto viu seu João, que, além da padaria, tinha uma pequena casa que vendia quinquilharias e bilhetes ...
-Hoje, quando ouvi o resultado da loteria, como sempre faço, anotei os números. Quase não vendo nada e lembrei que o seu Pedro havia comprado o último bilhete. Lembrei do número porque ele me disse que sonhara com ele. Até me pediu que cuidasse de conferir isso pra ele. Vim correndo quando vi que o número dele fora o sorteado. Quando estava começando a contar para ele, colocou a mão no peito e me pediu que o ajudasse a sentar debaixo dessa figueira. Foi o que fiz e fui correndo chamar vocês.
Roberto, tentando conter a emoção, olhou para o tio.
-Pai, mãe...ele está sorrindo...
E uma estrela riscou o céu...

lizeteabrahao@terra.com.br
Lizete Abrahão
Enviado por Lizete Abrahão em 04/12/2005
Reeditado em 16/07/2007
Código do texto: T81017

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Lizete Abrahão
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil
89 textos (3325 leituras)
5 áudios (129 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 02:35)
Lizete Abrahão