Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

UM LUGAR À MESA

È noite de Natal. Anette vai até o quarto de sua mãe para lhe desejar boa noite, como sempre faz. A enfermeira já cuidou dela e assim terminaria mais um dia de silêncio, como foram todos ao longo de doze anos: no parto da filha, Henriette após ser anestesiada, entrou em coma e permanece até os dias de hoje. Este fato a faz sofrer muito, que se responsabiliza pelo acontecido, como se tivesse culpa. Beija a mãe, diz boa noite a enfermeira e esta lhe deseja Feliz Natal. Ela pára, se vira, e pergunta apenas por perguntar:
_Hoje é dia de Natal? Patrick, seu pai, não acredita em Deus, nem em Papai Noel, só acredita em si mesmo e ensinou a filha a também ser assim: as pessoas são pelo que fazem, não pelo que rezam.
_Sim, meu bem. Hoje nós comemoramos o nascimento do menino Jesus; nos reunimos em família para a ceia de Natal.
_Nós não acreditamos nisso. Mas, você vai passar a noite com a minha mãe, como vai fazer pra se reunir com a família?
_Infelizmente não vou poder, tenho que trabalhar pra ajudar no sustento da casa, meu marido ganha pouco, não pôde estudar, assim como eu. Mas, já-já, vão ligar pra me desejar Feliz Natal e no meu lugar à mesa vão colocar um retrato meu. Os presentes das crianças estão ao pé da árvore de Natal, junto com o presépio, após a ceia, elas os abrem.
_Que legal! Queria que minha família fosse assim. Anette suspirou, olhou para a mãe e a imaginou à mesa como se fosse um retrato em carne e osso, abaixou a cabeça e saiu do quarto. Dirigiu-se para o escritório do pai, que também lhe servia de quarto desde aquele dia fatal. Ele passava a maior parte do dia entre os escritórios da cidade e de casa, fazendo investimentos e especulações no mercado e na bolsa de valores, donde conseguiu amealhar fabulosa fortuna. Anette entrou no quarto, seu pai que estava ocupado no computador, parou para lhe dar atenção. Ela abraçou-o e deixou a cabeça recostada no seu peito por algum tempo; depois, lhe beijou, lhe deu boa noite e se afastou. No meio do caminho até a porta, sussurrou, timi- damente,Feliz Natal.Ele, sobressaltado, perguntou:_O quê? Mas ela saiu rapidamente pra não dar explicação.
Patrick, após a saída da filha, desligou o computador e ficou pensando na vida.Entendera muito bem o que ela dissera: Feliz Natal...Quanto tempo eles não eram felizes em tempo nenhum. Anette, é uma menina cheia de predicados, mas triste, ele a fizera assim; os empregados da casa são, obrigatoriamente, assim; os móveis, cortinas, objetos, o jardim, tudo, enfim, naquela enorme casa é triste: como Patrick. Levantou-se e foi para o quarto da esposa. Ficou observando-a, ainda era muito bela, apesar do longo tempo vegetativo. Lembrou-se dos bons momentos que passaram juntos, ela era muito jovial, de uma alegria contagiante; grávida, imaginava Anette – nome de sua escolha - vestindo as roupinhas que comprara; embalava, abraçava e cheirava aquelas peças com tanto amor e desvelo, como se soubesse que somente isso lhe estava destinado. Ele não quis presenciar o parto, não queria vê-la sofrer, assistiria o filme depois, se lhe desse vontade. E o momento que era pra ser de felicidade máxima, se tornou o início de uma vida de tristeza e abdicação.Conteve as lágrimas, beijou a esposa ternamente e se despediu da enfermeira:
_Boa noite, enfermeira.
_Boa noite, Sr. Patrick. Feliz Natal!
Patrick parou com a mão na maçaneta da porta, pronto para abri-la, voltou-se e perguntou para a enfermeira:
_Como é mesmo o seu nome?
_Nazareth!...Maria de Nazareth.
_ Maria de Nazareth!...Obrigado, igualmente.
No corredor, indo em direção ao seu quarto, encontrou sua filha parada em frente a porta de seu quarto, indecisa se entrava ou não. Abraçaram-se e Anette, carente, comovida, lhe pediu:
_Pai, vamos comemorar o Natal esta noite, aqui em casa?
_Nós não acreditamos nisso, filha.
_Eu acho que acredito.
_Acha?
_Nós convidaríamos todos os empregados da casa e faríamos uma festa de Natal. A Nazareth...
_A Nazareth! Tinha certeza que ela estava metida nisso.
_Pois é, pai! A Nazareth me ajudaria a organizar a festa, ela tem muita experiência.
_Tudo bem! Por você eu faço tudo.
_Sério, pai? Não brinca. Eu vou adorar.Posso falar com a Nazareth?
_Não!
_Não???
_Não, tenho uma idéia melhor, depois você combina os detalhes com ela. Pegou um sinete, a filha pela mão e foram para a grande sala. Pôs-se a tilintar o pequeno sino e logo todos os empregados acorreram para o local. Nazareth do alto da escada observava curiosa.Patrick acalmou-os, dizendo que não era nada trágico, muito pelo contrário e continuou:
_Anette quer falar com vocês e eu faço minhas as suas vontades; mas, não é uma ordem, é um pedido.
A menina de doze anos se sentindo muito importante, radiante de felicidade, meio sem jeito, começou:
_Bem, gente! Eu e meu pai..., minha mãe também, queremos convida-los a participarem de nossa festa de Natal. Foi um espanto geral, um olhando pro outro, abismados. Murmúrios, expressões de surpresa, de dúvidas, de incredulidade, marcavam o rosto de cada um. Nazareth iniciou uma salva de palmas e logo todos a acompanharam. Anette, com os olhos brilhantes de felicidade, pediu com as mãos uma pausa para ela continuar a falar:
_Gente, só que eu não entendo nada de festa de Natal, vocês vão ter que me ajudar. Todos responderam afirmativamente, entusiasmados. Ela continuou:
_Vocês podem convidar seus filhos, maridos ou esposas para participarem. Jesus, nosso motorista, se encarregará de traze-los até aqui. Madalena, nossa chefe da cozinha, providenciará todos os pratos típicos de Natal; se faltar alguma coisa, peça para o Pedro ir buscar; aproveita para comprar enfeites e também uma árvore de Natal e um presépio. A Nazareth e eu vamos organizar a parte social: não é Nazareth?
Patrick olhava para a filha com orgulho e ao mesmo tempo, nostálgico: parecia Henriette coordenando os afazeres da casa.
 Em pouco tempo a casa se transformou; a sala enfeitada com guirlandas, festões, bolas coloridas, luzes piscantes; mesa posta para cinqüenta pessoas; o presépio; uma grande árvore montada em lugar estratégico, cheia de presentes ao redor; até organizaram um amigo secreto.
As pessoas foram chegando e se agrupando familiarmente na grande mesa. Nazareth arrumou Henriette e  numa cadeira de rodas  a levou para a sala : ela estava com o semblante sereno, esboçava-se um sorriso. Todos estavam em pé, em seus lugares, aguardando sua chegada. Nazareth colocou-a entre o marido e a filha, seu lugar à mesa. Anette beijou-a e desejou:
_Feliz Natal, mamãe!
Uma lágrima brotou dos olhos de Henriette, rolou pelo rosto, parou no queixo, transformou-se em gota e caiu em seu colo alvo.

carlinhosaffonso@aol.com

CARLOS AFFONSO
Enviado por CARLOS AFFONSO em 05/12/2005
Reeditado em 15/09/2009
Código do texto: T81426
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (carlos alberto affonso; carlinhosaffonso@hotmail.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
CARLOS AFFONSO
São Paulo - São Paulo - Brasil
62 textos (6758 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 00:43)
CARLOS AFFONSO