Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O SILÊNCIO DA SABIÁ

Naquela manhã o velho homem estranhou o silêncio da sabiá que vivia solitária em seu jardim no pinheiro que ele mesmo plantara há tantos anos. As mágicas manhãs primaveris de Setembro traziam-lhe recordações que estavam impregnadas nas paredes daquela casa que sintetizava uma nova história que ele escrevera com as próprias mãos. As quatro crianças já haviam partido, mas seus barulhos e algazarras ainda ecoavam por cada canto através da sonoridade silenciosa da recordação.

O olhar perdido e o seu mutismo poderiam ter capturado alguma cena antiga, uma fotografia que sustentava magicamente em sua imobilidade. Pediu à esposa que lhe fizesse uma feijoada, comida preferida. Lembrou-se do casamento do sobrinho e pediu à mulher que colocasse o melhor terno ao sol.

 E aquela manhã foi se espichando modorrenta entre o silêncio da sabiá, a movimentação na cozinha e no quintal, o cheiro do feijão cozido que ia subindo pelas escadas até alcançar o quarto iluminado onde o velho homem contemplava a vida através da tela da recordação.

Viu-se menino no vilarejo distante, os onze irmãos, o pai e a fazenda. A casa na cidade e a mãe a mourejar e a ajudar no armazém. Viu-se a cavalo com o pai – revólver na cinta – a calvagar pelos pastos a procura de uma rês desgarrada. Lembrou-se da vontade de estudar e de ir para a grande cidade para ser engenheiro; da adolescência conturbada pela política do interior e da viagem para a cidade grande, deslumbramento e solidão, dos estudos e da guerra que o prendeu por longos anos no exército que para ele fora uma grande escola. Viu-se começando a vida como funcionário de loja comercial – engenheiro frustrado – e o casamento e a família  e a primeira casinha que comprou na cidade. E o progresso naquela empresa que fora seu único emprego de onde saiu diretor para se aposentar, e os sacrifícios para que todos os filhos pudessem estudar e por lhes dar um exemplo de dignidade, e viu-se ajudando novamente as crianças grandes e os netos e compreendeu que fora o centro de muitas coisas por um tempo longo, muito longo.

Aquele não era um meio – dia qualquer de primavera. Desejou para si mesmo o sol e a vida e quis continuar ali para sempre, em sua cadeira predileta, ao pé de uma janela aberta para que a luz pudesse penetrar. Estampada naquela paisagem, viu a face do menino que fora e percebeu que na lição solar havia muito o que pensar e muita metafísica e recordou-se das palavras do poeta: “ Se o poente é belo, é bela a noite que fica. Nisto é que se deve pensar quando se vai morrer; e estar alegre ao viver por saber que o sol existe, apesar de tudo quanto não se saiba”.

Com os olhos semicerrados, procurou alguma lembrança para levar consigo e vieram-lhe à mente as faces queridas dos filhos, da esposa, dos irmãos, e a própria imagem do homem lutador à procura de respostas e de Deus. O sol iluminara sempre o cenário de sua vida. E neste momento de despedida, ao despedir-se de si mesmo e daquela casa - o pequeno mundo que criara -, do alto de sua janela, após concluir que tudo passa e fica, desejou para si mesmo - e para sempre- um cenário como aquele: um dia cheio de sol!

Na manhã do dia seguinte a sábia voltou à janela do quarto vazio e pôde cantar novamente e festejar o amanhecer ensolarado ao ver, pela primeira vez, o seu ninho repleto de movimento e de vida.

Nagib Anderáos Neto
www.nagibanderaos.com.br



Nagib Anderáos Neto
Enviado por Nagib Anderáos Neto em 26/05/2006
Reeditado em 08/08/2010
Código do texto: T163543

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Nagb Anderáos Neto www.nagibanderaos.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Nagib Anderáos Neto
São Paulo - São Paulo - Brasil
366 textos (87992 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 12:37)
Nagib Anderáos Neto