Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

UM CORPO QUE CAI


* Nadir Silveira Dias


Domício estava feliz. Bem ali no limiar de incomodar os infelizes e deixar alegres os não-infelizes. Felizmente hoje não havia dos primeiros. Foi proveitoso o ensaio, sem dúvida alguma. Ah! Que gostosos os bombons com que brinda a todos a Jojô.

Na mesa, o pão de milho, o mel de flores de eucalipto, o pão de aipim, ambos batidos, ligeiramente engordurados na casca macia, há pouco comprados na Feira Livre, o café preto solúvel, aromático, gostoso, dos poucos que existem neste imenso Brasil, para o consumidor comum. Sim, porque o especial, o caixa alta, vai tomar café brasileiro no exterior.

Da janela vizinha, o choro incontido da menina dos vizinhos, com menos de sessenta dias. Cólica? Dor de ouvidos? Não gostará de banho? Ou da inexperiência dos pais novos?

O cachorro de um outro vizinho, abastado, de grande terreno, está de férias, creio, pois apesar de estar lotado na janela do quarto de Nagib, há dias não late, não gane, não uiva. De fome, talvez sede, ou de falta de disciplina mesmo, sabe-se lá. Dos donos.

Você sabe para que serve um cão de guarda que late para tudo? Mosca, pardal, sabiá, tico-tico, pomba rola, barata, descarga de banheiro, espirro, ou abrir de porta?

De relance, um pouco antes, ainda escuta o seu Figueirinha dizer para alguém que o amor de mulher é real.

Ao longe, um só estampido. Seco, fulminante.

Um arquivo apagado ou mais uma inocente vítima da falta de segurança?


* Escritor e Poeta – nadirsdias@yahoo.com.br
Nadir Silveira Dias
Enviado por Nadir Silveira Dias em 04/10/2006
Código do texto: T255732
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Nadir Silveira Dias
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil
1036 textos (153755 leituras)
4 e-livros (380 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 12:46)
Nadir Silveira Dias