Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Olhares

A sina dela era diminuir-se. Em tudo que fazia o nada lhe figurava a sombra incrustada, às avessas, tornada o seu próprio ser, a nulidade nula. De tanta brancura e vazio, de tanto niilistamente dizer-se não-ser, tábula rasa e inútil concha de ar, empenhou-se aguerrida ao doutoramento nessa arte de apagar-se do mundo de si e do universo alheio também. E ela se consumiu tanto nessa escalada abaixo do ser que não teve olhos de enxergar. Diminutos, não os abriu. Não viu. Nem se deu à visão. Ao contrário disso: lançou-se cega a espatifar-se à consideração de transeuntes vários. Simulou. Dissimulou. Fez que não era. Confessou-se fragmentada. Cindida. Com isso, faltaram-lhe a substância, a matéria-prima, a consistência dos que desejam ser e são, dos que são e querem ser. Olhos de cabeça de alfinete dela não tiveram espaço para nadica de nada. Assassinou-se em si. Funeral não teve porque ninguém soube localizá-la no pó indo ao vento errante em que ela se transformou.
Wilson Correia
Enviado por Wilson Correia em 30/10/2006
Reeditado em 31/10/2006
Código do texto: T277378

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Wilson Correia
Amargosa - Bahia - Brasil
1192 textos (499084 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 01:24)
Wilson Correia