Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Garganta

Aquilo já me enchia. Encostado na cama e passando despercebido por canais abertos e fechados da televisão, uma dor de cabeça fraca me atormentava, mas esse não era o problema.

O problema era a dor de garganta.

Qualquer movimento brusco com os músculos do pescoço era semelhante à uma garrafa quebrada tentando passar com força por ali.

Mesmo uma gota de cuspe que tentasse descer pra tentar lubrificar o cú que virou minha faringe, parecia que tinham insetos me comendo.

Cansado de doer-me com cada tragada de cuspe, deixei três copos ao lado, na escrivaninha. O primeiro, para eu poder cuspir quando não mais coubesse na boca, tudo pra escapar de engolir qualquer coisa.

Estava na metade aquela nojeira e o quarto recendia àquele cheiro bocal horrível. Não era mau hálito, precisamente, mas um tipo de cheiro absurdo que se desprega do cuspe quando em contato com o oxigênio.

E ele só se mostrou terrível quando minha irmã entrou no quarto, graciosa e atenciosa, com meu remédio a tomar. O cheiro era porco e pútrido e ela, chegando mais perto de mim - e por consequência do copo e do cheiro - já ia vomitando em cima do meu peito. Fui mais rápido e antecedi seu gorfo com o segundo copo, vazio e justamente pra isso.

Até a metade e ela saiu correndo, tadinha.

Deixei o copo e peguei o terceiro, de água limpa mas não menos dolorosa do que o cuspe nojento. Botei o comprimido na língua, perto do abismo da garganta e dosei a água na boca. Engoli tudo junto, num esforço desumano e terrível. Arfei e guardei o copo.

Agora eu to aqui, sentado na cama com a boca extremamente seca e o olho pregado na tevê. Nada passa de interessante. Tenho que me distrair; minha garganta precisa de algo pra não virar pó, mas a dor me impedia de beber a água ou engolir meu próprio cuspe.

Visto o cheiro do quarto, desisti do cuspe e peguei o copo. Bebi.

Grosso demais, afinal.
Bruno Portella
Enviado por Bruno Portella em 16/11/2006
Reeditado em 16/11/2006
Código do texto: T292577
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Bruno Portella
São Paulo - São Paulo - Brasil, 30 anos
15 textos (1705 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 20:37)
Bruno Portella