Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SURRA EM SANTO ANTONIO. Série Figuras de Poções...

SURRA EM SANTO ANTONIO. Série Figuras de Poções...

O CASAMENTO DE AURINHA 0U...
DE COMO VALE A PENA CASTIGAR O SANTO

Consigo vê-la, apesar dos anos já passados, um pouco gorda, clara, cabelos castanhos (acaju), pernas finas.

Lembro-me bem do que falavam dela: Aurínha é uma boa moça, mas não dá sorte... E assim o tempo foi passando...

Honrando o costume de família, Aurinha convidava anualmente os amigos para festejar seu aniversário. Entretanto, ao fazer 40 anos, mudou a tática: jamais chegou aos 41. Todos os anos a velinha com o número 40 tremia sob os aplausos dos tantos coroas presentes e as lágrimas alegres e tristes da aniversariante...

Como se sabe, desde épocas remotas, inventaram que o Santo Antonio é  casamenteiro.. Assim, as mocinhas que ultrapassavam os 21 anos, adquiriam e veneravam o Santo Casamenteiro, com toda a fé e todo o respeito. Eis que, alguma mente sádica achou de implantar um método mais convincente, pois nem sempre o Santo Antonio resolve os problemas das solteironas. Haja vista o grande número de coroas solteiras espalhadas pelo mundo... O método consiste em dar uma surra vez por outra no Santo, método este imediatamente adotado por Aurinha.

Depois de alguns meses, sem qualquer sinal que lhe apontasse um namoro, não havia dia em que Santo Antonio não apanhasse. E Aurinba argumentava ao bater no santo, devidamente instruída pelas amigas:
- Santo safado, você tá me enganando... Santo trapaceiro... Santo... e lá vai tapa...

Numa dessas crises, o desespero tomou conta da pobre mulher que, num gesto mais insano, atirou o pobre Santo Antonio pela janela do sobrado onde morava.

Nesse exato momento, passava pela calçada do sobrado um senhor careca, já com mais de sessenta, que recebeu Santo Antonio pelos cornos e caiu de `rabo trancado´, como disseram os vizinhos. Gritos e exclamações vindos da rua chamaram a atenção de Aurinha, que, ao tomar consciência da desgraça que havia causado ao pobre homem e por ser muito católica, apressou-se a socorrer o infeliz transeunte que se esvaía em sangue sob os atônitos olhares do aglomerado que se formou ao seu redor. Ao lado do cidadão desfalecido, pedaços de Santo Antonio jaziam espalhados pela calçada...

Dias amargos para Aurinha que providenciou a transferência do coroa para o hospital e toda aflita só voltou para casa quando o acidentado foi declarado fora de perigo. Todos os dias, entretanto, levava-lhe maçãs, peras e uvas...

Nessas andanças, descobriu que o careca era solteirão. Daí a um romance foi como num passe de mágica. Eis que Aurinha descobriu que estava amando o careca e viu seu sentimento correspondido quando o dito cujo lhe propôs casamento.

Se se casaram ou amancebaram-se, não sabemos. O que é certo, porém, é que o Santo Casamenteiro realizou o grande milagre trazendo o homem que Aurinha tanto pediu.

Quebrado ou não, o certo é que Santo Antonio não falhou.

Por precaução, voltando ao local do acidente, Aurinha catara os cacos da imagem e as escondera, com receio do caso estourar na policia. Depois sentiu que poderia recuperá-lo e o fez, colocando-o numa redoma de cristal...
Ricardo De Benedictis
Enviado por Ricardo De Benedictis em 28/07/2005
Reeditado em 03/09/2008
Código do texto: T38482

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ricardo De Benedictis
Vitória da Conquista - Bahia - Brasil, 77 anos
1214 textos (272465 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 15:09)
Ricardo De Benedictis