Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SUAS COCHAS FRIAS, O MEU SANGUE FRIO


Antes que ela falasse qualquer coisa a beijei. Inexplicavelmente ela não ofereceu resistência e permanecemos com os nossos lábios unidos por alguns segundos. Fechei os olhos e viajei, por todos aqueles 32 segundos sonhei.

Despertei com o seu olhar enfurecido me agredindo, com os seus braços brancos gesticulando. Bloqueei os olvidos com a força da minha mente, permaneci imóvel diante daquela escultura ninfática.

Permaneci imóvel até aquele tapa choca-se contra o meu rosto. Permanecia calado ao apanhar. Senti prazer ao apanhar, adorei o gosto do meu sangue.

Não que eu não quisesse atirar. Eu queria, e porque quis não atirei. Deixei que ela atirasse. Primeiro no meu ombro, depois na minha alma.

Não senti prazer ao vê o seu corpo frio no chão, não gostei do gosto do seu sangue, nem do gelo das suas cochas. Talvez eu pudesse resistir, atirar contra aqueles homens vindo na minha direção. Eu ainda detinha forças. Porém não detinha fé.
mário cardoso
Enviado por mário cardoso em 16/08/2005
Código do texto: T43039

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para o site http://recantodasletras.uol.com.br/autores/abelha). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
mário cardoso
Campo Grande - Mato Grosso do Sul - Brasil, 31 anos
370 textos (14925 leituras)
3 áudios (241 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 12:14)
mário cardoso