Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ontem anoite

Na primeira bola que recebi parti pra cima do zagueirão, busquei fundo um pouco de ar, esta fungada descolou um catarro grosso da minha garganta, que guspi de lado facilitando a entrada do ar. As primeiras cornetadas já podiam ser ouvidas, as vozes vinham de dois caras sentados nas mesinhas atrás do gol tomando uma cerveja, justamente o gol em que eu atacava. Muitas  vezes um par de corneteiros exerce maior irritabilidade que uma massa em explosão. O zagueiro chutou pra longe minha tentativa, voltei ao meio campo na esperança de formular a próxima jogada.
A bola chegou na frente quicando eu aparei com a ponta da chuteira, olhei o para a cara do defensor jogando de leve o corpo para à esquerda, passei o pé sobre a bola deixando rolar pelo vão das duas pernas e sai pela direita do zagueiro abrindo espaço para um chute seco de canhota por baixo do goleiro, rasteirinho bem sujo, daquelas que sobem um pouguinho no morrinho artilheiro escapando das mãos do guarda metas e entram mansamente no gol, sacramentando a vitória.
Marco Cardoso
Enviado por Marco Cardoso em 09/09/2005
Código do texto: T49037
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Marco Cardoso
Campo Grande - Mato Grosso do Sul - Brasil
1601 textos (34630 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 00:40)
Marco Cardoso