Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto



Bela, sim. Muito bela. Pernas torneadas, cabelos de negro farto, olhos azuis, lábios cheios. Nome. Tinha nome. Mas valia o apelido. Princesa. Princess. Velha, muito velha, medieval.

Mas da maldição e da transmudação nada dizia. Silêncio sobre os séculos. Só a sedução no olhar, no mexer dos lábios, no estreitar dos braços quentes...

Mas em suas veias a vadiagem da mãe, que se fartava com animais; sexo, fluidos, desejo em gritos e rasgos. Cães, cavalos, e segundo o mago até mesmo aves. Aves? Abutres! - e o riso frouxo e desdentado aprofundava a maldição...

‘Monstrum vel Prodigium... ’.

Na janela, desfraldou as asas negras. Manhã de sol. Nada de fome. Saciada cedo. Sobre a cama, banhada pelo sol, o corpo do homem, o terceiro – quiçá o quarto – naquela semana. Com um impulso se lançou ao vazio, embaixo a cidade, as ruas, as vítimas. No bico escancarado, a engolir ozônio, o sabor quente do fígado tenro do café da manhã... como era mesmo o nome do sujeito?

Quente o fígado, denso o sangue... ‘monstrum vel prodigium...’... mamãe maldita!

Delícia... delícia...


alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 02/10/2007
Reeditado em 29/04/2013
Código do texto: T677260
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo - www.alexandregazineo.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
alexandre gazineo
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 56 anos
291 textos (94558 leituras)
2 e-livros (1189 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/08/17 07:01)

Site do Escritor