Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SACOLA DE DINHEIRO. Série Verdades...

SACOLA DE DINHEIRO - SÉRIE VERDADES QUE EU CONTO

Na década dos anos 1970, adquiri uma propriedade rural na BR-242, próxima à cidade de Barreiras, na Bahia.

À época residia no Rio de Janeiro com minha família e a tal rodovia ainda era de meter medo a corredores de enduros...

Para lá fiz inúmeras viagens e tenho muitas lembranças interessantes, numa época em que tudo era difícil, não havia telefones, a viagem de Salvador a Barreiras durava um dia. Normalmente eu parava na Lagoa de Oscar, onde o Zequinha, meu capataz, mantinha uma pensão horrorosa, mais feia que sua mulher...
A água para o banho era leitosa e só bebíamos cerveja ou refrigerantes...

Nesse período, fiz um negócio com o Banco do Brasil para a compra de um gado. A valores atuais, daria cerca de 300 mil reais e a garantia era a própria fazenda...

Eu havia comprado o gado e pago uma parte, ficando o vendedor na expectativa da liberação do financiamento para receber a segunda metade do negócio.

O Banco chamou-me para assinar a cédula pignoratícia que tive de registrar no Cartório de Registro de Imóveis de Angical e levar de volta ao Banco a papelada para liberação da grana. E o dinheiro saiu no dia seguinte.

Nesse ínterim, havia combinado com o vendedor do gado que pagaria nas dependências do BB a quantia certa do débito e marquei horário. Na hora aprazada, lá estava ele. Fiz o pagamento, ainda lhe comprei dois garrotes nelore para mandar juntar ao gado que se encontrava na fazenda. Depois de contar o dinheiro, coloquei-o num saco de papel de supermercado, fui até a Coletoria Estadual tirar a guia de transporte dos garrotes e pagar o imposto e fiquei conversando com o Coletor na expectativa da chegada do caminhão que contratara para levar os animais. Enquanto isso, descansei o saco de papel recheado de papel moeda no balcão da Coletoria.

Conversa lá, conversa cá, eis que chegou o caminhão que levou os garrotes. Apertei a mão do coletor, peguei meu Maverick vermelho e ... zas... Peguei a estrada de volta...

Após meia hora de viagem lembrei do dinheiro. Olhei para o banco do carona e para o banco traseiro, só minha pasta se encontrava por ali. Aí dei conta que tinha deixado o pacote na Coletoria. Fiz meia-volta com o carro e voei para Barreiras com um olho na estrada e outro no relógio, pois a Coletoria fechava às 13 horas e já passavam dez minutos do meio-dia. Cheguei em Barreiras a tempo. Parei na porta da Coletoria e fui entrando, meio desesperado, meio atabalhoado e vi logo sobre o balcão meu  pacote de dinheiro.

- Olá, amigo, voltei para pegar estas compras que esqueci no balcão...
Falei ao Coletor, que respondeu:
- Olha Ricardo, várias pessoas passaram por aqui nesta hora e meia e eu perguntei a todas elas se este pacote não lhes pertencia, mas nem pensei em você, rapaz...

E eu disse todo feliz:

- Também, o pacote não tem identificação e se você soubesse
que mercadoria tem aí, jamais diria de quem fosse...

Ele sorriu e eu fui embora, feliz da vida...
Levei a grana para o Rio e lá chegando, comprei uma casa em Bangu e dei de presente à minha sogra, coisa que lhe havia prometido há dois anos...
Ricardo De Benedictis
Enviado por Ricardo De Benedictis em 09/11/2005
Reeditado em 31/08/2008
Código do texto: T69022

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ricardo De Benedictis
Vitória da Conquista - Bahia - Brasil, 77 anos
1214 textos (272321 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 22:17)
Ricardo De Benedictis