Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Emoção

Naquela tarde, assim que entrou na sala viu, sobre o móvel do canto, perto da porta, o envelope de cor indefinida (como se a própria cor já indicasse o conteúdo da mensagem). Ficou ali parada por algum tempo. Não, não saberia precisar se foram segundos, minutos ou mesmo horas; só ficou ali, olhando para aquele envelope nem grande nem pequeno, naquela cor incerta que lhe causava arrepios.

O que estaria escrito ali?

As coisas não andavam bem, ela sabia e se desesperava tentando melhorá-las, mas parecia que nada surtia efeito.  Por isso, quando a carta finalmente chegou não a pegou de surpresa...Para dizer a verdade ela já esperava alguma reação por parte dele, só não podia prever qual seria.

Será que ele não teria coragem de vir lhe dizer pessoalmente?

Lentamente foi fechando a porta e se aproximando do aparador onde o envelope parecia crescer a cada instante.

Fitam-se longamente, o envelope e ela. Agora, assim de perto, podia notar sua textura, sua quase transparência, sua provocação, insinuando o conteúdo que, com certeza, modificaria toda a sua vida.

Alguns minutos de hesitação e ela então estende a mão até o envelope. Uma sensação de desalento e auto-piedade a invade. Não consegue tocá-lo...Parece que queima.

Afasta-se um pouco e põe-se a fitá-lo como que enfeitiçada pela estranha magia que o envolve.

Nova tentativa. Desta vez, mais decidida, aproxima-se e num gesto rápido, quase violento, agarra o envelope e o aperta em suas mãos. Fica ali, tensa, esmagando o papel e, de repente, sente como se as palavras começassem a pulsar dentro dele. Ou seria o latejar das suas mãos que dava vida às palavras? Novamente não saberia dizer.

Não saberia dizer também por quanto tempo ficou ali e por mais que se concentrasse agora, não conseguia imaginar como tinha ido parar naquela poltrona à beira da janela. Quando deu por si era ali que estava, sentada na pontinha, mãos abandonadas no colo, os olhos fixos no envelope.

Sem resistir assiste às suas mãos rasgarem o papel, vagarosamente, como se qualquer movimento brusco pudesse ferir seu conteúdo. Abre o envelope e começa a puxar o papel fino, cuidadosamente dobrado.  A caligrafia elegante e determinada, tão sua conhecida, salta do papel.

Sem mais, num repente, arremessa tudo, carta, envelope,  para longe e essa sua reação a surpreende. O papel fino...flutua docemente e vem se colocar aos seus pés.

Ah...Como teve medo que essa hora chegasse. Quantas vezes  desesperou-se e sofreu antevendo esse momento e agora, não mais imaginação nem fantasia, mas a realidade. A carta estava ali!

A sala mergulhada na penumbra intensa avisa-lhe que começa a escurecer. Abre então um pouco a cortina e um resto de claridade se insinua pelo ambiente. Não é muita não só o suficiente para definir o contorno dos móveis, dos objetos e do papel caído aos seus pés.

Abaixa-se, prende-o entre os dedos e o traz lentamente  até o colo.
Tudo lhe custa um esforço enorme. Está exausta. Gotas finas de suor molham sua testa, seu buço. Até o dorso das mãos está molhado.  A sensação é de total desconforto.

Percebendo que não poderia mais adiar aquela situação, começa a ler. O recado é curto, lacônico, metódico, tão dele! A letra elegante e decidida parece brincar com ela.

Desesperada corre os olhos pelo papel e perde o fôlego. As lágrimas desabam pelo seu rosto, descontroladas. Impotente, deixa escapar um gemido fundo e dolorido. O papel foge dos seus dedos novamente  e vai se aninhar em seu colo.
Alucinada, agarra-o. Os olhos esbugalhados. A cabeça latejando. Lê e relê. Quer ter certeza do que está escrito.

               “Chego amanhã.
               Saudade...”

Então, um sorriso de pura felicidade inunda-lhe o rosto.



vera abi saber
Enviado por vera abi saber em 06/04/2005
Reeditado em 17/06/2010
Código do texto: T10052
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
vera abi saber
São Paulo - São Paulo - Brasil, 65 anos
118 textos (18186 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 02:30)
vera abi saber