Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Esperança Normanda - 29de janeiro de 2006 ( Lia de Sá Leitão)

Percebi o quanto estava soziha mesmo invadindo o espaço  das pessoas cheias de tempo, sentia-me como se faltasse o ar, o tempo escoasse das minhas mãos como a fumaça que poluia o ar. Passava alguém conhecido,acenava com a mão. Outras pessoas a serem conhecidas, bastava um sorriso e um boa tarde, já se estabelecia um primeiro contato.
Jovens riam conversavam alto, corriam, praticavam esportes, vovós desfilavam orgulhosas os seus netos encharcados de xixi nas fraldas descartáveis e fazia-se ouvir um leve choro de quem diz to molhado e você ai toda orgulhosa não olha meu estado.
Mas outros nenens era um só sorriso, casais com as mãos dadas caminhavam tranqüilamente como se nunca tivessem lido a má notícia.
Os carros estacionavam crianças corriam pelo passeio  público deixando as babás malucas de um lado para o outro, pareciam baratas em cozinha.
Ao meu lado distraidamente estava o amor que perdi pelo caminho,  naquele instante nem eu sabia o motivo que me levava a estar ali lado a lado desfilando uma situação de    casamento que já não era real.
Senti-me culpada, revi valores, revivi situações, busquei no âmago do ser um sentimento mais delineado que unisse nós dois tão próximos ali e sem atentar para o vazio que se formou  em nossos sorrisos amarelos com desculpas de estamos bem sim, é mais uma crise. O hiato se estabelecera envolveu o tempo parando o relógio do coração.
Busquei em minha alma o sentimento que outrora que nos unira em laços fortes, cumplicidades, segredos, horas de amor traduzidas em ternas juras.
A mão que segurava o corpo nu, o meu corpo que se deixava abraçar, a boca que beijava e e se deixava ser sugada, o abraço que tomava a alma não permitia  sentimentos pela metade, tudo tão intenso, tão abrasador, sem vergonhas, íntimos, safadezinhas de um casal que completava as emoções na medida do pecado.
Volto o olhar meio perdido na linha do horizonte e desconecto as lembranças dos tempos bons, da vida a dois, tempos sem volta ou revolta.
Percebemos no silêncio as mudanças dia após dia, não tem volta, o momento da decisão é definido pela razão com tamanha objetividade que não se mede o metro direcionado para liberdade.
Angústiantes noites de verão, quem lê acha loucura, alguém escrever angustiantes noites de verão, mas caro leitor pense, o calor que antes seria abrasador pelo calor dos corpos naquele instante era o sufocante e abafada hora de dormir juntos.
Ele ali, diante de mim sentado no quem me quer da orla marítima, preferiu entrar em um estado de letargico estabelecendo uma relação de dependência e culpa, eu, cumpria o papel da amiga que não podia abandoná-lo pelo menos  naquele instante, mas, impossível esperar mais tempo para sair de cena.
A esperança de um novo amor renascia.
 

Nomanda
Enviado por Nomanda em 29/01/2006
Código do texto: T105747

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Nomanda
Olinda - Pernambuco - Brasil
52 textos (3603 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 02:55)