Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Branco & Preto

Já tivera dias de primavera em pleno inverno . E eram todos claros e azuis, límpidos e transparentes.
Dava bom dia, ao sol que ainda nem se mostrava. Dava boa noite à Vesper luzente no ocaso colorido.  Em cores, vivia sua vida, eterno cinemascope.
         Não precisava pedir nada. Tinha sempre tudo à mão: chuva, ventos, calmaria, brisa, trovão. Se quisesse um pouco de paz, tinha gorjeio de pássaros. Se quisesse sossego, tinha intimidade entre as folhagens.
         Desejando dançar, tinha o lago e as cachoeiras com músicas. Era livre para andar nu, rasgado, descabelado, remelento, limpo até a alma.
         Podia gritar, cantarolar e ninguém reclamava. Sussurrava, chorava e ria... fazia o que bem quisesse, rezava, até!
         Comia na hora que desse fome, dormia quando o sono chegava. Acordava com o romper do dia. Era livre para ver o que quisesse, na hora que bem entendesse. Cuidava de seu quintal, ia à mercearia do povoado. Tomava banho de cachoeira pelado, os pelinhos todos se arrepiando, o frio insinuando-se no corpo inteiro. Trabalhava e sonhava na rede esticada na varanda. Bastava-se. Completa e infinitamente solidão. Plena e benfazeja distância.
Não fosse a finitude da vida, jurava que estava no Paraíso.
        Mas fazia uns dias que começara a questionar sobre os dias e as noites e a inquietude começara a se instalar. Já não dava bom dia ao sol ou boa noite aos pirilampos. Tudo lhe parecia um encompridamento só. Não descansava mais e o corpo doía inteiro.
As perguntas ficavam no ar irrespirável. Não achava respostas em suas leituras, em seus banhos, em sua rede.
A que viera, para onde iria, quando sairia de cena.
         O medo morava fundo. Não dormia, não acordava. Só doía. Doía inteiro por todo o sempre.
Não mensurou tempo porque dor não tem marcação. É longa demais o tempo todo. Mas ficou assim doendo uma infinitude até decidir partir.
Anda, agora, pelas esquinas, sem identidade, que no inferno não se tem nome. Solitário em tempo integral, não vê a hora de alçar vôo.
odeteronchibaltazar
Enviado por odeteronchibaltazar em 18/04/2005
Reeditado em 18/04/2005
Código do texto: T11846

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite nome do autor). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
odeteronchibaltazar
Florianópolis - Santa Catarina - Brasil, 63 anos
37 textos (2582 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 17:34)
odeteronchibaltazar