Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Vicente

        Falar de Vicente seria difícil, não fosse a memória de sua irmã Natália. Ela, sim, fala do irmão como se estivesse ainda ao seu lado o tempo todo . Amava-o e perdoava todos os erros cometidos.
        Vicente herdara de seu pai propriedades e desde moço iniciou um negócio de padaria. Casa grande de dois pavimentos, embaixo funcionava o panifício, na parte de cima morava a família e os empregados.
        Embora a  família fosse grande, conseguia manter o luxo daqueles tempos. Tinha carroça para distribuir o pão pela cidade, tinha muitos empregados, água encanada e eletrodomésticos que para a época eram o máximo. Ventilador, por exemplo. E o liquidificador que emprestava aos vizinhos para as "batidas" que as crianças tanto apreciavam? Esse era um luxo!
        Sua casa era sempre cedida para festas, churrascadas e bailes, para onde iam todos que moravam nas redondezas.
        Vicente era feliz, mas um eterno insatisfeito. Começou a procurar outras mulheres e a freqüentar bares. Natália sabia dessas noitadas, assim como a cidade inteira, e chegou até a conversar sobre isso com o irmão, que ria e dizia estar ciente do que fazia.
        Ciente até poderia estar, me diz Natália entristecida, só que vício é danado! Nunca achamos que pode acontecer com a gente e, sempre achamos que estamos no controle.
        Acabou que seu irmão virou alcóolatra, daqueles de cair nas valetas da rua, de ter que ir buscar o homem caído na beira da estrada.
Uma piedade ver aquele homem forte ficar reduzido num trapo, sentado na beira da sua porta, logo de manhanzinha, pedindo um trago para começar o dia, antes até mesmo de um gole de café.
        Suas propriedades, a padaria, sua casa de dois andares, cavalos, carroça e o que tivesse, foram sendo delapidados rapidamente pelos gastos com as noitadas e suas mulheres.
        A saúde ficou precária e adquiriu uma cirrose. Pouco tempo depois, às vésperas da morte, ainda pediu um copo de cachaça à sua esposa que cuidava dele no hospital. Que mal lhe faria a estas alturas? Bebeu até a parte do santo, que deve ter-lhe cobrado, pois logo foi bater às portas do céu...ou do inferno, sei lá, murmurou Natália com o olhar perdido e com uma lágrima a escorrer de saudades.
       Natália continua saudável e sempre que a vejo, fala do irmão com carinho. Os sobrinhos, filhos do seu irmão estão bem, mas a esposa dele morreu logo em seguida. Pena que tenham ido tão cedo, diz ela, inconformada.
        Cedo ou tarde, todos iremos, digo à minha amiga. É só uma questão de tempo...
odeteronchibaltazar
Enviado por odeteronchibaltazar em 18/04/2005
Código do texto: T11847

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite nome do autor). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
odeteronchibaltazar
Florianópolis - Santa Catarina - Brasil, 63 anos
37 textos (2582 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 04:25)
odeteronchibaltazar