Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

UM AMOR DIFERENTE/X V I

ATENÇÃO:SE  DENTRO DE VOCÊ TIVER ALGUM PRECONCEITO, NÃO LEIA.


   
   Já era manhã de domingo, Ricardo e Rangel ainda dormiam abraçados, como se tivessem esquecido do mundo, entre eles só existia o amor,os dois já faziam muitos planos, já dividiam sonhos, que o mundo não precisava saber,Rangel era muito seguro do amor de Ricardo , sabia que tinha encontrado o amor que muitos falam, um sentimento inexplicável que não poderia explicar, apenas sentir.
        Gurgel o pai de Ricardo já estava a caminho do sítio pois queria muito descobrir tantos mistérios do filho, por ele andava tão ausente da família,precisava descobrir, enquanto isso os dois dormiam tranqüilos sem nenhum medo, era por volta das  nove horas da manhã quando o Gurgel chegou no sitio de longe na entrada já avistou o carro que Ricardo tinha vindo estacionado na garagem, então foi entrando sem fazer barulho algum, para que não chamasse atenção, os cachorros  não latiram pois conhecia bem o dono, o caseiro apenas cumprimentou e falou que Ricardo estava na casa, ele sem muita conversa retribuiu os cumprimentos e segui adiante.
       Chegando na casa forçou e viu que a porta estava fechada, rodeou a casa, viu que também as portas e janelas estavam fechadas, então ele pegou a chave que tinha no carro e abriu a porta bem devagarzinho para que ninguém percebesse barulho de nada, estava disposto a tirar a história do sumiço de Ricardo a limpo, quando abriu a porta foi entrando cuidadosamente, a casa ainda estava um pouco escura, mas dava para ver um pouco os cantos dos cômodos, então ele foi olhando na sala, depois foi olhando na sala de visitas, depois olhou, na sala de jogos, depois olhou no primeiro quarto e não estava encontrando nada, mas tinha um quarto com a porta encostada, e desconfiou que o Ricardo poderia esta dormindo naquele quarto, nem foi averiguar os outros cômodos, respirou fundo parou e pensou um pouco, mas estava decidido mesmo descobrir tudo sobre o Ricardo, não poderia desistir, pois estava diante da verdade, foi empurrando a porta para o canto devagar sem que ela produzisse nenhum barulho, foi abrindo mais, até uma certa abertura que dava para ver a cama que Ricardo dormia,ainda estava escuro dentro do quarto mais deixou a claridade entrar um pouco, então ele olhou e viu que tinha na cama dois corpos, já sabia que o filho dormia com alguém, mas ainda estava um pouco embaçado ele precisava ver mais de perto, e foi chegando mais perto da cama onde os dois dormiam, para sua surpresa ele viu dois corpos nus, era um do seu filho e outro rapaz que ele nunca tinha visto, estavam dormindo abraçados, um sena de quem tinha praticado sexo e depois dormiram, Gurgel sentiu um ódio dentro dele, uma vontade de disparar toda carga do revolver em cima dos dois, queria muito que nada daquilo fosse verdade que seus olhos estavam lhe mostrando,mas para infelicidade dele era pura realidade o Ricardo estava se envolvendo com um rapaz, então ele pensou em agir a sangue frio, os dois dormiam tão inocentes e nem poderia imaginar que iriam acordar para um grande pesadelo.
         Gurgel saiu do quarto onde os dois dormiam, silenciosamente da mesma forma que entrou, encostou a porta, e saiu para fora da casa, Ricardo nunca tinha apresentado um comportamento de quem era gay, pensava ele, mas também nunca tinha apresentado em casa uma namorada, a não ser algumas amigas dele que lhe visitava que ele achava que ele se divertia com elas, então resolveu acabar com aquela história toda ali mesmo.
      Fechou do mesmo jeito a porta de entrada da casa, e começou a chamar pelo Ricardo nos primeiros gritos os Ricardo e o Rangel não escutou nada, mas  ele continuou a chamar e continuou a gritar mais alto,com muita  raiva ele começou a bater na porta, como se estivesse batendo nos dois rapazes, que não estavam fazendo mal nenhum para ele, depois de dar umas batidas, o Rangel se acordou assustado  e mexeu o Ricardo que ainda dormia, chamou o Ricardo umas duas vezes, depois o Ricardo ainda quase dormindo reconheceu a voz do pai, que chamava por ele de um jeito estranho apressado como se estivesse acontecendo alguma coisa, Ricardo deu um pulo da cama muito assustado quando reconheceu que era o pai dele mesmo, Rangel ficou mais assustado ainda, um abraçou com o outro sem saber o que fazer e nem como sair daquela enrascada, Ricardo pensou em enfrentar o pai, e gritou lá de dentro da casa que ele esperasse um pouco.

Brione/Parte/16
BRIONE CAPRI
Enviado por BRIONE CAPRI em 03/04/2006
Reeditado em 04/04/2006
Código do texto: T133221
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
BRIONE CAPRI
Guarulhos - São Paulo - Brasil, 32 anos
1428 textos (66602 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 10:35)
BRIONE CAPRI