Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

AMO SÃO PAULO - fato real!

Muita gente acha que depois de um certo tempo a gente não se recorda do que acontece quando somos pequenos, mas eu me lembro de muita coisa! Quando tinha uns 04/05 anos de idade, cheguei em São Paulo.
Fui a vários pontos turísticos da cidade, de tudo o que vi e não vi, muitos lugares ficaram marcados em minha mente.
E de todos que não vi, logo que cheguei, o que mais marcou-me foi a Catedral da Sé.
Até então eu só a tinha visto em revistas, fotos, e achava tudo muito lindo e sabendo-se disso, levaram-me para conhecer, ver de pertinho o que eu achava que já conhecia. Chegando na praça da Sé fiquei encantada!
Naquele tempo era tudo mais tranquilo do que hoje evidentemente
( se passaram mais de 40 anos desse dia até o dias de hoje )
Ali havia grandes árvores, pessoas que desde aquela época andavam apressadas pra lá e pra cá.
Me vi deslumbrada com a Catedral a minha frente!
A igreja do bairro em que morava, tornava-se uma "casinha" muito pequena diante daquele "monumento" todo cinza, com degraus tão grandes!
Tomada pela minha mão pequenina, fui encaminhada pra a entrada. Ali na porta principal havia um guarda, não me lembro direito da cor do "uniforme" dele ( foi assim que me referi à roupa dele )...não tenho certeza hoje se era azul marinho ou preto, mas com certeza era de cor bem escura! Suas luvas brancas ressaltavam de todo o traje!
Enquanto me dirigia a entrada eu o observava e notei que além de uma postura elegante e cordial, ele era muito educado!
Ele abria e fechava a imensa porta  de jacarandá, para quem estivesse entrando ou saindo.

Eu achei aquilo lindo!

Chequei frente a frente para com o "guarda da igreja"!

E como criança inocente, mas educada severamente a moda antiga, chego pertinho do "guarda",  dou um puxãozinho na perna da calça dele, sorrindo inocentemente e feliz por estar realizando o desejo de conhecer a "grande igreja" digo à ele:
___ Bom dia, seu guarda!

Ele me sorri também, com seus dentes branquissímos, e corresponde ao meu bom dia!
Mas quando dou o decisivo passo que me levaria para dentro da "grande igreja", ele me barra dizendo:
_____Você é muito linda menina!
Respondi um "bigadu" e ia novamente me encaminhando para entrar e ele novamente me barra e diz:
_____ Você é linda menina, mas não poderá entrar!
Eu com cara de criança assustada perguntei:
____"pruquenaumpossuentar"?
____Porque é menina e está de calças de menino, menina aqui não entra com calças de menino!
E eu manhosa fazendo beicinho, quase chorando:
____"to dicarça cumprida pruque tá frio, ma so menina sim!!!!!"
____Eu não posso deixar você entrar vestida assim, todo mundo está vendo que você é uma linda menina! E porisso mesmo, eu não posso deixar você entrar! Se eu deixar e o padre ver ele vai me mandar embora!

Eu chorando copiosamente, como se tivesse perdido um bem mais que precioso, comecei a descer as escadas enquanto dizia ao "seu guarda" que o "papaidocéu" ia ficar triste com ele, o guarda! É claro que depois levaram-me novamente e por várias vezes à Catedral da Sé.

Com o passar dos anos, tudo foi se transformando, se atualizando e hoje as mulheres entram na Catedral vestidas seja com saias, mini-saias, shorts, calças compridas, vestidos curtos ou longos...tudo mudou...

Jamais esqueci esse episódio de minha infância! Estudei algum tempo em colégio de freiras, fui frequentadora das missas aos domingos. Viajei, andei por muitos lugares, conheci muitas outras igrejas grandes e pequenas....Mas jamais esquecerei esse dia!
Acredito até que foi uma primeira lição de vida! Sim, para mim foi! Pois eu queria muito entrar lá e não pude! Aprendi nesse dia, que existem regras, normas feitas pelo homem que devem ser respeitadas, para assim nos tornar parte integrante da sociedade.

Aprendi que se pode querer algo e não conseguir no exato momento em que queremos,
mas que podemos tudo conseguir se realmente quisermos!

Não esqueci esse dia, como também não esqueci quando lá retornei em uma bela tarde de sol, com um vestido de seda cor-de-rosa, os longos cabelos loiros penteados em cachinhos, brilhantes na luz do sol, sapatinhos brancos e meias brancas rendadas, chego  novamente bem pertinho do "guarda" e digo a ele com o maior sorriso que meu rosto podia mostrar:

____"Seu guarda" sou aquela menina, que o senhor "otrodia" não "dexô" entrar!
E ele me respondeu:
____Menina linda! Você hoje com esse vestido está mais loirinha ainda!Entre! Entre!
O padre vai pensar que um anjo descido dos céus e está entrando na igreja!!!

Catherine Roos. - janeiro/2004
Catherine Roos
Enviado por Catherine Roos em 09/01/2005
Código do texto: T1348
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Catherine Roos
São Paulo - São Paulo - Brasil, 60 anos
12 textos (1694 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 18:20)
Catherine Roos