Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Tribunalma

Severamente, o juiz o olhava. Para evitar a colisão, desviou a vista.
Sentiu um calafrio percorrer a espinha e o suor desaguar, indiscretamente, na cueca.
Todo aquele paramento judiciário, a voz grave, o ambiente austero, o oprimia.
De imediato, o magistrado deu início ao interrogatório.

- Senhor Juliano, jura dizer a verdade, apenas a verdade?
- Juro, disse num balbucio.
- Onde estava o senhor, quando ocorreu o roubo das pedras preciosas?
- Em casa, senhor juiz.
- O senhor tem como provar isso?
- Apenas a minha palavra empenhada.
- Isto não é suficiente

Ficou ruborizado. As mãos tamborilavam , freneticamente, na cadeira.
Lembrou-se do personagem Pinóquio e de seu nariz. Naturalmente, de alguns políticos conhecidos...

- Senhor Juliano, disse o meretíssimo, temos na sala um detector de mentiras.
- Mas, eu não menti, senhor juiz.
- Veremos.

E o magistrado foi buscar a engenhoca, habilmente escondida em uma mesa ao seu lado. Colocou-a próxima a Juliano e disse:


- Observe, então, senhor Juliano...

Nisso, acordou do pesadelo. Respirou aliviado.
Precisava ver menos filmes de ação à noite, pois senão viveria em constante pavor.
Apalpou seu nariz. O tamanho permanecia normal.

Ricardo Mainieri
Enviado por Ricardo Mainieri em 06/04/2006
Reeditado em 20/04/2006
Código do texto: T134884
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ricardo Mainieri
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 56 anos
1920 textos (29389 leituras)
1 e-livros (105 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 02:04)
Ricardo Mainieri