Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CONTO DE COBRAS



Era uma vez, no alto da montanha mais alta, na torre mais alta do castelo, vivia uma princesa solitária. Morava num quarto sem porta. Uma única e pequena janela mostrava o mundo em que ela não podia viver.
Logo depois que nasceu, na festa que o rei e a rainha fizeram para comemorar seu nascimento, todos os moradores do reino compareceram e isso significava, ricos e pobres, velhos e novos. Todos, todos compareceram à festa e por isso, os portões do reino ficaram abandonados, sem os soldados que estavam também na festa.
A música era suave e a comida saborosa e vinho dos mais doces que havia no local e todos sorriam felizes o nascimento da princesinha.
Não se pode esquecer que as bruxas também foram convidadas e estavam lá, com suas roupas negras e dentes amarelos e narizes tortos com algumas verrugas grandes e não eram más. Eram bruxas boas se é que isso é possível. Estavam lá e cantavam suas músicas e faziam suas poções mágicas e distribuíam para os necessitados. Poções mágicas que curavam. Bruxas boas. Era um reino feliz.
Mas os portões estavam desprotegidos e por isso um bando de cascavéis, que viviam ao redor do reino conseguiu entrar.
Poderiam ser cobras boas, como as bruxas que ali viviam, mas não eram e não entendiam como tantas pessoas vivendo juntas não brigavam. Aquelas pessoas viviam em paz e isso incomodava as cobras que rastejavam à beira dos muros buscando algum caminho para penetrar naquele reino tão diferente.
No dia da festa entraram pelos portões abandonados e se espalharam por todo o reino. Tudo estava vazio. Todos estavam no salão do castelo comemorando, felizes, o nascimento da princesa. As cascavéis aproveitaram a oportunidade e atacaram de uma vez só o salão, picando os moradores, os soldados e todos que ali estavam, até mesmo o rei e a rainha. E aos poucos, as pessoas foram caindo sem vida pelo salão. Somente a pequena nascida foi poupada da matança, não se sabe porque, mas cobra nenhuma picou a pequena que dormia tranqüila em seu berço de ouro e muitas pedras preciosas.
Quando não havia mais vida no salão. A maior das cobras e por isso a que dava ordens, rastejou até o trono e enrolada em si mesma fez-se rainha daquele lugar, ordenando as outras cobras que construíssem uma torre, a mais alta torre que se pudesse construir e que lá, no topo, deixassem a pequena princesinha. Determinou que apenas uma janela fosse construída, para passagem de ar e um pouco de luz do sol e tão somente isso.
As outras cobras, por serem menores, obedeceram e em poucas horas a torre estava construída e a princesinha dormia tranqüila sem saber o que acontecia.
Os anos se passaram e as cobras alimentavam a menina com frutas que traziam enroladas na ponta do rabo. Entravam pela pequena janela e depositavam as frutas num canto.
A menina crescia. Não temia as cobras, pois não lembrava de conhecer outra coisa que não fossem as cobras e então, para ela, era tudo normal e porque não dizer que até gostava quando uma cobra ou outra passava mais tempo ali a conversar com ela sobre qualquer coisa da floresta.
Dentre todas as cobras, havia uma, a menor de todas que se afeiçoou pela menina. Nem todo o mal é mal de todo e por isso a cobrinha visitava a menina todos os dias e se punha a conversar. Enrolava-se ao braço da menina e olhavam-se olhos nos olhos e até riam por algumas vezes.
A menina gostava de todas as cobras, mas daquela, da menor delas, tinha um carinho especial, pois era a única que se aproximava a ponto de se tocarem e sentirem uma a outra e, além do mais, as conversas com essa pequena cobra eram sempre mais divertidas e a menina aprendeu a sorrir e a gargalhar e a cobrinha gostava de assistir ao espetáculo de alegria que a menina apresentava sempre que estavam juntas.
A pequena cobra ensinou a menina a cantar e de pouco ia mostrando as pequenas coisas que faziam o mundo existir. Levava flores e animaizinhos pequenos para que a menina conhecesse. Explicava a função de cada um deles e via os olhos da menina brilharem cada vez mais e os lábios infantis abrirem quase num espanto de saber que tantas coisas pequenas podiam criar coisas tão grandes e olhava pela pequena janela e via as montanhas lá em baixo como se fossem também coisas pequenas, do mesmo tamanho das estrelas que cobriam as noites e então, na cabeça da menina tudo era pequeno a sua volta. Imaginava um mundo feito de flores e insetos e tudo lhe parecia tão bonito que um dia pediu a cobrinha que a tirasse dali para conhecer o mundo e toda a sua beleza.
A cobrinha não sabia o que fazer. Não tinha ordem de tirar a princesa da torre e ao mesmo tempo não queria que a pequena soubesse que era prisioneira das cobras. Era como se abrisse a cortina da verdade e mostrasse à menina que aqueles seres que ela tanto gostava eram os mesmos que a mantinham presa e eram as responsáveis pelo seu isolamento e por isso, apenas por não querer que a menina sofresse ou se revoltasse contra ela, inventava desculpas para não tirar a menina de lá. Então dizia que não havia chão que se pisasse e por isso caía-se num buraco sem fundo se se saísse da torre, ou porque as águas tomavam conta de tudo e a menina não sabia nadar e morreria afogada e tantas outras desculpas que acabaram por convencer a princesinha de que ali, na torre, ela estava segura.
Algumas cobras perceberam a amizade que crescia entre a menina e a cobrinha e com  inveja correram a contar tudo à maior das cobras que não gostou nada da idéia e mandou chamar a pequena cobra para uma conversa em particular.
A reunião entre as duas cobras estava tensa. As explicações da cobrinha não convenceram a rainha das cobras que proibiu a pequena cobrinha de visitar a menina.
Alguns dias se passaram e a princesinha começou a sentir muita falta de sua pequena amiga e perguntava às outras cobras por onde andava ou onde estava que não a visitava mais. As cascavéis diziam que a cobrinha estava ocupada e que não queria mais visitar a princesinha. A menina, pela primeira vez na vida, chorou porque lhe doía o peito a falta da amiga e assim percebeu que nem tudo era bonito naquela torre e sabia que além de alegria, também existia a tristeza e ela agora era triste, muito triste e algo dentro dela crescia e ela não sabia o que era. Sentia apenas como se fosse um buraco que aumentava a cada dia e talvez fosse um buraco sem fundo como o mundo fora da torre.
A menina se transformou em mulher e já não sorria. O buraco dentro do peito era já tão grande e escuro que ela já não via qualquer tipo de luz, nem sol, nem lua e nem as estrelas.
A mudança de temperamento da menina incomodava as cobras, uma vez que ela era a única entre todos ali que sorria e tudo ficou sem graça como era antes de invadirem aquele reino, e foram reclamar à rainha das cobras.
Eram tantas as cascavéis a reclamar à rainha que esta não teve outra opção a não ser mandar a pequena cobra voltar a visitar a princesa, mas devia ser sempre acompanhada por outras duas cobras para que não contasse a verdade à menina.
No dia seguinte, logo cedinho, a cobrinha entrou pela janela e encontrou a princesa dormindo e viu nas feições da moça que ali já não habitava alegria alguma e a cobrinha deixou escapar um soluço e rastejou até a princesa. Aconchegou-se no peito da princesa e sentiu as batidas de seu coração e uma alegria enrolou-se por todo o corpo da pequena cobra e por um instante ela imaginou que vivia naquele reino, onde tudo era muito feliz e quis tirar a princesa daquele lugar, mas não sabia como fazer. Além de pequena, era vigiada por outras duas cobras.
Os olhos da princesa abriram lentamente e depararam com os olhos da cobrinha que chorava de alegria.
A princesa sentou e por um momento quis mandar a cobrinha embora. Doía-lhe o peito por tanto tempo de saudade e culpava a cobrinha por todo o sofrimento que sentia, mas as palavras não saíram de sua boca e então a princesa chorou alegre a volta da amiga, e ficaram as duas abraçadas e chorando a falta que fizeram uma à outra e os dias voltaram a ser alegres como antes.
As duas conversavam, sempre vigiadas pelas outras cobras e por isso falavam pouco, mas seus olhos diziam mais e isso as outras não viam. A cobrinha passou a morar na torre e assim as duas estavam sempre juntas.
Durante a noite, enquanto a princesa dormia, a cobrinha se enroscava no seu corpo e ficava com a cabeça grudada à cabeça dela e sussurrava em seu ouvido tudo o que não podia falar durante o dia. As vigias não percebiam os sussurros e não se preocupavam. E, na manhã seguinte a princesa acordava com algumas palavras novas e idéias de um mundo diferente fora da torre, mas ao falar  com a cobrinha, esta desviava o assunto como se não soubesse de nada e as cobras vigias calavam por não saber o que acontecia com a princesa.
A cobrinha passava horas pensando em como tirar a princesa daquele lugar sem encontrar solução. Eram tantas as cobras lá em baixo, que a princesa não escaparia e provavelmente ambas morreriam com picadas das outras e voar ela não sabia e lhe parecia a única forma de sair daquele lugar.
Durante as noites que se seguiram, a cobrinha sussurrava no ouvido da princesa a necessidade de sair dali e a princesa acordava e corria para a pequena janela com uma vontade imensa de estar do outro lado daquelas paredes e dizia a cobrinha que era seu único desejo. Sair daquele lugar para conhecer o mundo.
A pequena cobra, não vendo outra solução, esperou a noite chegar e, ao sussurrar no ouvido da princesa, disse a ela que a única forma de sair de lá era matar todas as cobras que a rodeavam e para isso ela precisaria ter coragem, muita coragem, pois era arriscado e ela poderia morrer com a picada de uma delas. Explicou ainda que, para matar as cobras, era necessário pisar na cabeça de cada uma delas até que não sobrasse nada.
Nessa noite a princesa teve pesadelos terríveis onde cobras subiam por suas pernas e enrolavam-se ao  seu pescoço até ela sufocar. Acordou assustada  mas não contou o sonho a pequena cobrinha que a olhava com tanto carinho.
A princesa passou o dia inteiro quieta, pensando no sonho que havia tido e olhava pela janela o mundo que ela tanto queria conhecer e, quando as cobras vigias cochilavam, ela se aproximou e pisou em suas cabeças até que não restasse nada e só ai a pequena cobra pode contar a ela tudo o que havia passado, desde a festa de seu nascimento até dos sussurros noturnos.
A princesa chorou com um novo sentimento dentro do peito. Não queria ficar ali um  momento mais sequer e tentou sair pela janela. A cobrinha desesperou e enrolou-se à perna da princesa e conseguiu puxá-la novamente para dentro da torre. Arfando a força que fizera, a cobrinha disse a princesa que não poderia sair assim, precisava acabar com as cobras ou as cobras acabariam com ela. A princesa ouviu com atenção e relaxou sua raiva. Precisava ter paciência e esperar.
No dia seguinte, quando as cobras vigias não desceram da torre, outras duas subiram para ver o que acontecia e ao entrarem na torre foram atacadas pela princesa e pela pequena cobra que conseguiram esmagar suas cabeças.
Os dias se seguiram e sempre duas cobras subiam para ver o que havia acontecido com as anteriores que haviam ido, mas não haviam voltado.
Já havia poucas cobras no reino, quando a cobra rainha tomou consciência de  que algo não estava certo e por isso resolveu ela mesma subir à torre para descobrir o que acontecia.
Ao entrar na torre viu num canto, amontoadas, as cobras que haviam subido nos dias anteriores. Eram tantas e tantas, todas sem cabeça. Encontrou a princesa e a cobrinha prestes a atacá-la e gritou que precisava falar. A princesa olhou para a cobrinha que concordou em ouvir, mas ficaria a postos para atacar a qualquer mínimo movimento da rainha das cobras.
A rainha das cobras então se enrolou e paralisada começou a falar.
Contou a princesa tudo o que havia acontecido e disse que não atacara o reino por maldade. Não. Havia uma razão. O reino era feliz e não havia maldade. Todos eram bons ao extremo e não desejavam mal a ninguém. Explicou que não seria de todo mal que o mundo fosse bom, mas que só a bondade não faz o mundo girar. Era preciso conhecer o mal para se poder escolher o caminho a seguir. Era como abrir dois baús dentro do peito. Um recheado de belezas e bondades e outro escuro com vozes gritando sofrimento. Era preciso entrar nos dois baús e ocupar o peito com tudo aquilo e só ai poder escolher qual dos baús manter aberto e qual trancar para sempre.Essa era a escolha que deveria ser feita. E, naquele reino, o rei e a rainha haviam proibido a todos que abrissem o baú escuro e assim, todos só mergulhavam no baú da felicidade e só isso conheciam, mas não eram felizes porque escolheram ser felizes. A felicidade era imposta e por isso não conheciam a real felicidade que é aquela conquistada, aquela buscada todos os dias e não havia razão para lutar por nada, não que isso fosse ruim, mas não era certo. Era imposição do rei. E, a felicidade verdadeira não é imposta. Há de se conhecer todos os lados da vida para saber o que é felicidade, dar valor a ela como ela merece e buscar, sempre e sempre, cultivar essa felicidade no peito do próximo, mas não como obrigação, mas tão somente como um caminho a ser escolhido. E, por isso, só por isso ela havia feito o que fez. Disse que havia poupado a vida da princesa e colocado-a na torre para que ela pudesse conhecer os dois baús dentro de seu peito e estar pronta para reinar um mundo justo onde o bem e o mal existem e podem ser buscados ou apagados.
A princesa ouviu atentamente tudo e então levantou-se e foi até a rainha das cobras e a abraçou agradecendo por tudo o que ela havia feito, mas que sua escolha já havia sido feita e que era hora de sair dali para reinar em seu mundo.
A rainha das cobras pediu a princesa que confiasse nela e então, olhou para a cobrinha e num instante enrolou-se na pequena que não tinha como escapar e foi sumindo dentro dos anéis da rainha. A princesa desesperou e gritou que soltasse a pequena cobra, mas a rainha das cobras continuava a se enrolar esmagando a cobrinha que já não se via.
A princesa correu e com toda sua força pisou na cabeça da rainha das cobras até esmagá-la por completo e chorava por ter de fazer aquilo com a rainha das cobras que havia lhe dado a oportunidade da felicidade real, mas não havia outra solução, era preciso salvar a pequena cobra.
Quando a cabeça da rinha das cobras desapareceu, a princesa desenrolou o corpo morto, tentando encontrar a pequena cobra, mas levou um susto ao ver ali, não a pequena cobra, mas a figura de um homem. Sim, era um homem. Um príncipe que havia sido enfeitiçado pela cobra rainha. Tinha ele sua função. Haveria de ajudar a princesa e assim libertá-la. Ele sabia, fora um acordo entre seus pais e a rainha das cobras e ele agora estava liberto.
Os dois desceram da torre fazendo nós nas cobras e usando-as como corda.
As poucas cobras que restavam no reino, ao ver a princesa e o príncipe, transformaram-se em pessoas e corriam ao encontro dos dois, sorrindo e cantando.
A princesa e o príncipe se casaram e formaram o primeiro reino justo daquele mundo.
O tempo passou e novas gerações habitavam o lugar, tudo estava modificado, moderno, mas a torre estava lá, intacta para mostrar a todos que era necessário conhecer os dois baús para só depois decidir qual o caminho a seguir.
E ... será que foram felizes para sempre?
Paula Cury
Enviado por Paula Cury em 08/04/2006
Código do texto: T136041

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Paula Cury
São Paulo - São Paulo - Brasil, 47 anos
114 textos (8472 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 18:51)
Paula Cury